TRANSPLANTE AUTÓLOGO

Em geral, se as células estaminais do próprio doente são adequadas para o transplante de células de sangue periférico é administrada quimioterapia antes do factor de crescimento dos glóbulos brancos, o que faz reduzir a probabilidade de algumas células de linfoma permanecerem na medula óssea e suprimirem temporariamente a produção de células estaminais.

Quando a medula óssea está a recuperar da quimioterapia, o número de células estaminais produzido pela medula óssea aumenta rapidamente, incentivado pelo factor de crescimento (G-CSF)

Depois de terem sido colhidas, as células estaminais são congeladas (crioconservação). O doente recebe então doses elevadas de quimioterapia seguidas da perfusão das células estaminais previamente colhidas

Uma vez que as células provêm do próprio doente, a probabilidade de reacção entre o sistema imunitário e as células transplantadas diminui drasticamente.  Porém, o risco de infecção enquanto a medula óssea está a recuperar é elevado, sendo assim importante que os doentes falem com a equipa médica sobre a redução da probabilidade de infecção.

 

 

Este site e o seu conteúdo têm um fim exclusivamente informativo e não substituem o aconselhamento médico. Os tratamentos de cada pessoa devem ser individualizados e conduzidos por profissionais de saúde, sendo o médico que acompanha o doente quem poderá indicar qual o tratamento adequado a cada caso.

As instruções do médico e dos restantes profissionais de saúde que o acompanham devem ser rigorosamente seguidas, pelo que sugerimos que contacte sempre o seu médico ou farmacêutico.

 

Termos Legais | Política de Privacidade | Glossário

© Todos os direitos reservados Roche Farmacêutica Química Lda