SINTOMAS E DIAGNÓSTICO DO LINFOMA NÃO-HODGKIN

Quando lhe foi diagnosticado um linfoma não-Hodgkin, o que o fez procurar o médico? Sentia-se cansado, fraco e abatido ou reparou num caroço no pescoço ou numa axila que não desaparecia, ou talvez estivesse a perder peso ou a suar demasiado à noite.

Um dos problemas enfrentados pelos médicos no diagnóstico do linfoma não-Hodgkin é o facto de estes sintomas se assemelharem aos de outras doenças.

Os gânglios linfáticos aumentados são bastante comuns em pessoas com infecções, como uma simples constipação ou gripe. A diferença  relativamente ao linfoma não-Hodgkin é que os sintomas não desaparecem.

Assim, o médico necessita de realizar alguns exames minuciosos para descobrir exactamente o que está errado e certificar-se do diagnóstico. Por exemplo, as análises ao sangue fornecem indicações sobre a gravidade da doença, ao passo que os raios X e outros exames de imagem revelam se existem mais gânglios linfáticos aumentados do que os sentidos à palpação e se estão implicados outros órgãos.

A aspiração com uma agulha  dos gânglios linfáticos aumentados pode indicar com exactidão o tipo de linfócitos afectados, ao passo que a biopsia da medula óssea pode revelar se a medula óssea está afectada.

Alguns links úteis

Sintomas e diagnóstico do linfoma não-Hodgkin
O que esperar

 

 

Este site e o seu conteúdo têm um fim exclusivamente informativo e não substituem o aconselhamento médico. Os tratamentos de cada pessoa devem ser individualizados e conduzidos por profissionais de saúde, sendo o médico que acompanha o doente quem poderá indicar qual o tratamento adequado a cada caso.

As instruções do médico e dos restantes profissionais de saúde que o acompanham devem ser rigorosamente seguidas, pelo que sugerimos que contacte sempre o seu médico ou farmacêutico.

 

Termos Legais | Política de Privacidade | Glossário

© Todos os direitos reservados Roche Farmacêutica Química Lda