EFEITOS SECUNDÁRIOS POSSÍVEIS

Uma vez que o tratamento do cancro pode danificar células e tecidos saudáveis, poderão ocorrer efeitos secundários indesejáveis. Estes efeitos secundários dependem de vários factores, nomeadamente do tipo e extensão do tratamento. Os efeitos secundários podem variar consoante os doentes ou entre as sessões de tratamento. Os médicos e os enfermeiros irão explicar quais são os possíveis efeitos secundários do tratamento e como lidar com eles.

TERAPÊUTICA COM FÁRMACOS ANTI-CANCERÍGENOS

Os efeitos secundários dos fármacos anti-cancerígenos dependem sobretudo do tipo de medicamento e da dose administrada. Os fármacos afectam as células cancerígenas e outras células que se dividem rapidamente:

  • Células sanguíneas: Quando os fármacos afectam as células sanguíneas saudáveis, o doente fica mais susceptível de contrair uma infecção, ter equimoses ou sangrar facilmente e poderá sentir-se mais fraco e cansado.
  • Células da raiz do cabelo: Os fármacos anti-cancerígenos podem provocar queda de cabelo. O cabelo voltará a crescer, mas o novo cabelo poderá ter uma cor e textura diferentes.
  • Células que revestem o aparelho digestivo: Os fármacos anti-cancerígenos podem provocar falta de apetite, náuseas e vómitos, diarreia e úlceras.

Os fármacos utilizados no tratamento do mieloma podem causar ainda erupções cutâneas, pústulas, cãibras, visão turva, problemas pulmonares, dores de cabeças, tonturas, sonolência, enfraquecimento ou formigueiro nas mãos ou pés e coágulos sanguíneos.

O médico pode sugerir formas de controlar muitos destes efeitos secundários.

TRANSPLANTE DE CÉLULAS ESTAMINAIS

Os doentes que foram submetidos a um transplante de células estaminais apresentam um risco acrescido de contrair infecções, ter hemorragias e outros efeitos secundários devido às doses elevadas de quimioterapia ou de radioterapia recebidas. As pessoas que receberam células estaminais de um dador podem ainda desenvolver a doença do enxerto versus o hospedeiro (DEVH). Na DEVH, as células estaminais doadas reagem contra os tecidos do doente. Na maioria dos casos a DEVH afecta o fígado, a pele ou o aparelho digestivo. A DEVH pode ser grave ou até mesmo fatal e pode ocorrer em qualquer altura após o transplante, mesmo alguns anos depois. Os esteróides ou outros fármacos podem ajudar a tratar ou controlar a DEVH.

RADIOTERAPIA

Os efeitos secundários da radioterapia dependem sobretudo da dose de radiação administrada e da parte do organismo tratada. Por exemplo, a pele do doente na área tratada poderá tornar-se vermelha, seca e sensível. O doente poderá também perder cabelo na área tratada.

O doente poderá sentir-se muito cansado durante a radioterapia, sobretudo nas últimas semanas de tratamento. O repouso é importante, mas em geral os médicos recomendam ao doente que tente ficar o mais activo possível.

Embora os efeitos secundários da radioterapia possam ser dolorosos, a grande maioria é tratável ou controlável.

Este site e o seu conteúdo têm um fim exclusivamente informativo e não substituem o aconselhamento médico. Os tratamentos de cada pessoa devem ser individualizados e conduzidos por profissionais de saúde, sendo o médico que acompanha o doente quem poderá indicar qual o tratamento adequado a cada caso. As instruções do médico e dos restantes profissionais de saúde que o acompanham devem ser rigorosamente seguidas, pelo que sugerimos que contacte sempre o seu médico.