DOENÇA DE HODGKIN: TRATAMENTO

O médico elabora um plano de tratamento adaptado a cada doente. O tratamento da doença de Hodgkin depende do estádio em que se encontra a doença, da dimensão dos nódulos linfáticos dilatados, dos sintomas manifestados, da idade e do estado geral do doente, assim como de outros factores (o tratamento de crianças com doença de Hodgkin não é abordado nesta área).

A doença de Hodgkin é tratada por uma equipa de especialistas, que envolve um médico hematologista ou oncologista, um enfermeiro e/ou um radioterapêuta. A doença de Hodgkin pode ser tratada com:

  • Quimioterapia
  • Radioterapia
  • Transplantação

Em geral, a doença de Hodgkin é tratada com quimioterapia ou radioterapia, ou ainda, uma combinação de tratamentos.

A participação em ensaios clínicos (estudos de investigação) para avaliar novas e promissoras formas de tratar a doença de Hodgkin é uma opção importante para muitas pessoas que sofrem desta doença. Para mais informações, consulte a área sobre Investigação.

OBTER UMA SEGUNDA OPINIÃO

Antes de iniciar o tratamento, alguns doentes querem ouvir uma segunda opinião para confirmar o seu diagnóstico e plano de tratamento.

O médico do doente pode sugerir especialistas a consultar.

PREPARAÇÃO PARA O TRATAMENTO

Muitas pessoas que sofrem de cancro procuram saber tudo quanto podem sobre a doença e as opções de tratamento de que dispõem para poderem ter um papel activo nas decisões sobre os cuidados médicos que lhes são prestados. Quando se diagnostica cancro a uma pessoa, é natural que ela reaja com choque e ansiedade e estes sentimentos podem tornar-lhe difícil pensar em tudo o que gostaria de perguntar ao médico. Muitas vezes, é útil fazer uma lista das perguntas. Algumas pessoas preferem ter um familiar ou amigo consigo quando falam com o médico, para participar na conversa, ou simplesmente ouvir.

Estas são algumas das questões que  o doente poderá querer colocar ao médico antes de iniciar o tratamento:

  • Qual é o meu diagnóstico exacto?
  • Em que fase está a doença?
  • Quais são as minhas opções de tratamento? Quais é que me recomenda? Porquê?
  • Quais são os riscos e possíveis efeitos secundários de cada tratamento?
  • Que efeitos secundários lhe devo comunicar?
  • Quanto tempo dura o tratamento?
  • Quais as hipóteses de o tratamento ter êxito?
  • O tratamento vai afectar as minhas actividades normais? Se sim, durante quanto tempo?
  • Estão a ser estudados novos tratamentos? Existe algum ensaio clínico que seja adequado para o meu caso?

Não é necessário fazer todas as perguntas nem lembrar-se de todas as respostas de uma só vez. Haverá com certeza outras oportunidades para pedir ao médico que lhe explique tudo o que não percebeu e solicitar mais informações.

Este site e o seu conteúdo têm um fim exclusivamente informativo e não substituem o aconselhamento médico. Os tratamentos de cada pessoa devem ser individualizados e conduzidos por profissionais de saúde, sendo o médico que acompanha o doente quem poderá indicar qual o tratamento adequado a cada caso. As instruções do médico e dos restantes profissionais de saúde que o acompanham devem ser rigorosamente seguidas, pelo que sugerimos que contacte sempre o seu médico.