DOENÇA DE HODGKIN: GLOSSÁRIO

Abdómen: A parte do corpo onde se encontram o pâncreas, o estômago, os intestinos, o fígado, a vesícula e outros órgãos.

Amígdalas: Pequenas massas de tecido linfóide em ambos os lados da garganta.

Baço: Órgão que faz parte do sistema linfático. O baço produz linfócitos, filtra o sangue, armazena células sanguíneas e destrói as que envelhecem. Localiza-se do lado esquerdo do abdómen, perto do estômago.

Benigno: Não cancerígeno; não invade os tecidos próximos nem alastra para outras partes do corpo.

Biopsia da medula óssea: Remoção de uma amostra de tecido da medula óssea, com uma agulha, para análise ao microscópio.

Biopsia: Colheita de células ou tecidos para análise ao microscópio. Quando se remove apenas uma amostra do tecido, o procedimento denomina-se biopsia incisional ou punção-biópsia. Quando todo o tumor é removido, o procedimento denomina-se biopsia excisional. Quando a amostra do tecido ou líquido é removida com uma agulha, o procedimento denomina-se biopsia aspirativa ou aspiração por agulha fina.

Cancro: Termo que designa doenças em que células anómalas se dividem descontroladamente. As células cancerígenas invadem tecidos próximos e podem disseminar-se através da corrente sanguínea e do sistema linfático para outras partes do corpo.

Célula de Reed-Sternberg: Tipo de célula que aparece em pessoas com doença de Hodgkin. O número destas células aumenta à medida que a doença avança.

Conservar o esperma num banco de esperma: Congelar o esperma para utilização futura. Este procedimento pode permitir ao homem ter filhos mesmo depois de ter perdido a fertilidade.

Diafragma: Músculo fino situado abaixo dos pulmões e do coração que separa o tórax (peito) do abdómen.

Efeitos secundários: Problemas que ocorrem quando o tratamento afecta células saudáveis. Os efeitos secundários comuns do tratamento do cancro são: fadiga, náuseas, vómitos, diminuição da contagem de células sanguíneas, queda de cabelo e feridas na boca.

Ensaio clínico: Estudo de investigação que avalia a eficácia de novas intervenções nos seres humanos. Cada estudo é concebido para avaliar novos métodos de rastreio, prevenção, diagnóstico ou tratamento do cancro.

Estadio: Extensão de um cancro no organismo, incluindo a sua disseminação do local original para outras partes do corpo. O estadiamento significa a determinação da extensão do cancro.

Factor de risco: Qualquer factor que aumente as probabilidades de vir a desenvolver uma doença.

Fertilidade: Capacidade de ter filhos.

IRM: Imagiologia por ressonância magnética. Procedimento em que um íman ligado a um computador é utilizado para obter imagens detalhadas de zonas do interior do corpo.

IV: Intravenoso/a. Injectado num vaso sanguíneo.

Laparotomia: Incisão cirúrgica na parede do abdómen.

Leucemia: Cancro dos tecidos que produzem o sangue.

Linfa: Líquido quase incolor que circula no sistema linfático e transporta células que ajudam a combater infecções e doenças.

Linfócitos: Glóbulos brancos. Os linfócitos têm diversas funções no sistema imunitário, incluindo a produção de anticorpos e outras substâncias que combatem infecções e outras doenças.

Linfoma: Cancro que surge nas células do sistema linfático.

Maligno: Cancerígeno; um tumor com tendência a invadir e destruir os tecidos próximos e a alastrar para outras partes do corpo.

Médico oncologista: Médico especializado no diagnóstico e tratamento do cancro por quimioterapia, hormoterapia e terapêutica biológica. O médico oncologista funciona muitas vezes como o médico assistente do doente com cancro e coordena o tratamento prescrito por outros especialistas.

Medula óssea: Tecido macio e esponjoso existente no centro dos grandes ossos e que produz glóbulos brancos, glóbulos vermelhos e plaquetas.

Nódulos linfáticos: Pequenos órgãos localizados por todo o organismo, ao longo dos canais do sistema linfático. Os nódulos linfáticos armazenam células especiais que combatem infecções e outras doenças. Podem encontrar-se agregados destes nódulos nas axilas, virilhas, pescoço, peito e abdómen. São também designados por glândulas linfáticas.

Patologista: Médico que identifica doenças estudando as células e os tecidos ao microscópio.

Prognóstico: Resultado ou evolução provável de uma doença; possibilidade de recuperação.

Quimioterapia: Tratamento com fármacos anti-cancerígenos.

Radiação externa. Radioterapia que utiliza uma máquina para direccionar raios de alta energia para o cancro. Também denominada radioterapia externa.

Radioterapêuta: Médico especializado em utilizar a radiação para tratar o cancro.

Radioterapia: A radioterapia (também chamada terapia de radiação) utiliza radiação de alta energia de raios-X, neutrões e outras fontes para matar as células cancerígenas e diminuir o tamanho dos tumores. A radiação pode ser emitida por uma máquina situada fora do corpo (radiação externa) ou por materiais (radioisótopos) que produzem radiação colocados no tumor ou na sua proximidade ou na área onde se encontram as células cancerígenas (radioterapia intersticial, radiação por implante ou braquiterapia). A radioterapia sistémica envolve a administração de uma substância radioactiva, como um anticorpo monoclonal marcado com radioactividade, que circula pelo organismo.

Raio-X: Radiação de alta energia utilizada em doses baixas para diagnosticar doenças e, em doses elevadas, para tratar o cancro.

Recidiva: Reaparecimento do cancro, no mesmo local do cancro original (primário) ou noutro local, depois de o tumor ter desaparecido.

Remissão: Desaparecimento dos sinais e sintomas de cancro. Quando isto acontece, diz-se que a doença está ?em remissão?. A remissão pode ser temporária ou permanente.

Sistema imunitário: Grupo complexo de órgãos e células que defende o organismo das infecções ou doenças.

Sistema linfático: Tecidos e órgãos que produzem, armazenam e transportam glóbulos brancos, que combatem infecções e outras doenças. Este sistema inclui a medula óssea, o baço, o timo e os nódulos linfáticos, assim como uma rede de capilares finos que transportam a linfa e os glóbulos brancos. Estes capilares ramificam-se, à semelhança dos vasos sanguíneas, para todos os tecidos do corpo.

TAC: Tomografia axial computorizada. Sequência de imagens detalhadas de zonas do interior do corpo; estas imagens são criadas por um computador ligado a uma máquina de raio-X. Também designada por tomografia axial computadorizada.

Terapia biológica: Tratamento para estimular ou restabelecer a capacidade do sistema imunitário de combater infecções e doenças. Também utilizada para atenuar os efeitos secundários que podem ser causados por alguns tratamentos oncológicos. Também conhecida por imunoterapia ou terapia modificadora da resposta biológica (BRM).

Terapia local: Tratamento que afecta as células do tumor e das áreas mais próximas.

Terapia sistémica: Tratamento que utiliza substâncias que circulam na corrente sanguínea, atingindo e afectando células em todo o corpo.

Timo: Órgão que faz parte do sistema linfático, no qual os linfócitos T amadurecem e se multiplicam. Localiza-se no peito, por trás do esterno.

Transplante da medula óssea: Procedimento de substituição da medula óssea destruída pelo tratamento com doses elevadas de fármacos anti-cancerígenos ou radiação. O transplante pode ser autólogo (com a medula óssea da própria pessoa guardada antes do tratamento), alogénico (medula doada por outra pessoa) ou singénico (medula doada por um gémeo idêntico).

Transplante de células estaminais periféricas: Método para a substituição de células produtoras de sangue destruídas pelo tratamento do cancro. As células sanguíneas imaturas (células estaminais) na circulação sanguínea, que são semelhantes às da medula óssea, são administradas à pessoa após o tratamento para ajudar a medula óssea a recuperar e a continuar a produzir células sanguíneas saudáveis. O transplante pode ser autólogo (células sanguíneas da própria pessoa guardadas antes do tratamento), alogénico (células sanguíneas doadas por outra pessoa) ou singénico (células sanguíneas doadas por um gémeo idêntico). Também designado por suporte hematopoiético de células estaminais periféricas.

Tumor: Massa anormal de tecido que resulta de divisão celular excessiva. Os tumores não desempenham qualquer função útil no organismo. Os tumores podem ser benignos (não cancerígenos) ou malignos (cancerígenos).

Virilha: Zona em que a coxa se liga ao abdómen.

Este site e o seu conteúdo têm um fim exclusivamente informativo e não substituem o aconselhamento médico. Os tratamentos de cada pessoa devem ser individualizados e conduzidos por profissionais de saúde, sendo o médico que acompanha o doente quem poderá indicar qual o tratamento adequado a cada caso. As instruções do médico e dos restantes profissionais de saúde que o acompanham devem ser rigorosamente seguidas, pelo que sugerimos que contacte sempre o seu médico.