CANCRO DO ÚTERO: DIAGNÓSTICO

Se apresenta sintomas que sugerem cancro no útero, o médico poderá verificar os sinais gerais de saúde e pedir análises ao sangue e à urina. O médico pode, ainda, realizar um, ou mais, dos exames ou testes descritos em seguida:

  • Exame pélvico: a mulher faz um exame pélvico, para o médico poder observar a vagina, o útero, a bexiga e o recto. O médico palpa estes órgãos, à procura de quaisquer protuberâncias ou alterações na sua forma ou tamanho. Para ver a zona superior da vagina e do colo do útero, o médico insere um instrumento, chamado espéculo, dentro da vagina.
  • Teste de Papanicolau: o médico recolhe células do colo do útero e da zona superior da vagina. Um laboratório médico procura células anormais. Apesar do teste de Papanicolau poder detectar o cancro do colo do útero, as células de dentro do útero, geralmente, não são "visíveis" neste teste. Como tal, o médico recolhe amostras de células do interior do útero, através de um procedimento chamado biópsia.
  • Ecografia transvaginal: o médico insere um instrumento (sonda) na vagina. A sonda lança ondas sonoras de alta-frequência para o útero, que batem nos tecidos e voltam para trás, como um eco; um computador usa estes ecos para criar uma imagem, chamada ecografia; o padrão dos ecos produzidos cria uma imagem. Se o endométrio parecer muito espesso, o médico pode fazer uma biópsia.
  • Biópsia: o médico remove uma amostra do tecido de revestimento do útero; geralmente, pode ser feito no consultório médico. No entanto, em alguns casos pode precisar de fazer uma dilatação e curetagem, no hospital, embora sem necessitar de internamento. Um patologista examina o tecido, para procurar evidência de células cancerígenas, hiperplasia ou outras situações. Durante um curto período após a biópsia, algumas mulheres têm cãibras e perdas de sangue vaginal.

Antes de fazer uma biópsia, pode querer colocar ao médico as seguintes questões:

  • Que tipo de biópsia vou fazer? Porquê?
  • Quanto tempo demorará? Vou estar acordada? Vai doer?
  • Quando saberei os resultados?
  • Existem riscos? Qual é o risco de infecção ou de perdas de sangue?
  • Se eu tiver cancro, quem falará comigo acerca do tratamento? Quando?

 

Este site e o seu conteúdo têm um fim exclusivamente informativo e não substituem o aconselhamento médico. Os tratamentos de cada pessoa devem ser individualizados e conduzidos por profissionais de saúde, sendo o médico que acompanha o doente quem poderá indicar qual o tratamento adequado a cada caso. As instruções do médico e dos restantes profissionais de saúde que o acompanham devem ser rigorosamente seguidas, pelo que sugerimos que contacte sempre o seu médico.