CANCRO DO RIM: EFEITOS SECUNDÁRIOS POSSÍVEIS

Uma vez que o tratamento do cancro pode danificar células e tecidos saudáveis, podem ocorrer por vezes efeitos secundários indesejáveis. Estes efeitos secundários dependem de vários factores, incluindo o tipo e a extensão do tratamento. Os efeitos secundários podem não ser os mesmos para todas as pessoas e podem inclusivamente variar entre as diversas sessões de tratamento. Os médicos e os enfermeiros irão explicar quais são os possíveis efeitos secundários resultantes do tratamento e como lidar com eles.

Cirurgia

Após a cirurgia o período de recuperação é diferente para cada pessoa. Os doentes sentem-se frequentemente desconfortáveis durante os primeiros dias e há que ter em atenção que é necessário algum tempo entre a cirurgia e a realização das tarefas habituais. No entanto, existem medicamentos que ajudam a controlar a dor.

Antes da cirurgia, os doentes devem discutir o plano para aliviar a dor com o médico ou com o anestesista. Depois da cirurgia, o médico pode ajustar o plano caso seja necessário.

É comum sentir cansaço ou fraqueza durante algum tempo. A equipa médica vigia o doente, para detectar a existência de complicações renais, sendo possível fazê-lo através da monitorização da quantidade de líquidos que o doente ingere e a quantidade de urina produzida. Também se avalia a existência de sinais de hemorragia, infecção ou outras complicações que possam requerer tratamento imediato. As análises laboratoriais ajudam a equipa médica a detectar sinais de complicações.

Se for removido um rim, o rim remanescente geralmente, é capaz de realizar o trabalho dos dois rins. Contudo, se o rim remanescente não estiver a funcionar em condições, ou se ambos os rins foram removidos, é necessário realizar diálise para filtrar e limpar o sangue. Para alguns doentes, um transplante de rim pode ser uma possibilidade. Neste procedimento, o cirurgião que realiza o transplante, substitui o rim do doente por um rim saudável obtido de um dador.

Embolização Arterial

Após a embolização arterial, alguns doentes sentem dores nas costas ou ficam com febre. As náuseas e os vómitos são outros efeitos secundários. Estes problemas desaparecem rapidamente.

Radioterapia

Os efeitos secundários da radioterapia dependem principalmente da dose do tratamento e da parte do corpo a ser tratada. Os doentes ficam tendencialmente muito cansados durante a radioterapia, especialmente nas últimas semanas de tratamento. O descanso é importante, no entanto, normalmente, os médicos aconselham que os doentes se mantenham o mais activos possível.

A radioterapia aplicada no rim e áreas adjacentes pode causar náuseas, vómitos, diarreia ou desconforto urinário. A radioterapia pode ainda provocar uma diminuição do número de glóbulos brancos saudáveis; os quais ajudam a proteger o organismo contra infecções. Além disso, a pele na área tratada pode por vezes tornar-se vermelha, seca e sensível. Apesar de por vezes após a radioterapia existirem sintomas que podem ser penosos, o médico pode ajudar a melhorar ou a controlar os efeitos secundários.

Tratamento com imunoterapia

O tratamento com imunoterapia pode causar sintomas semelhantes aos da gripe, tais como arrepios, febre, dores musculares, fraqueza, perda de apetite, náuseas, vómitos e diarreia. Os doentes podem ainda ficar com erupções cutâneas. Estes problemas podem ser graves, mas desaparecem depois de o tratamento acabar.

Quimioterapia

Os efeitos secundários da quimioterapia dependem principalmente dos fármacos utilizados e da quantidade recebida de uma só vez. Regra geral, os fármacos anti-neoplásicos afectam as células que se dividem rapidamente, especialmente:

  • Células sanguíneas: Estas células lutam contra a infecção, ajudam o sangue a coagular e transportam oxigénio para todas as zonas do corpo. Quando os fármacos afectam as células sanguíneas, os doentes ficam mais susceptíveis a infecções, a equimoses ou hemorragias e podem sentir-se mais fracos e cansados.
  • Células da raiz do cabelo: A quimioterapia pode causar queda de cabelo. O cabelo volta a nascer, mas por vezes o novo cabelo tem uma cor e textura um pouco diferentes.
  • Células que revestem o aparelho digestivo: A quimioterapia pode provocar falta de apetite, náuseas e vómitos, diarreia e lesões na boca. Muitos destes efeitos secundários podem ser controlados com fármacos.
Este site e o seu conteúdo têm um fim exclusivamente informativo e não substituem o aconselhamento médico. Os tratamentos de cada pessoa devem ser individualizados e conduzidos por profissionais de saúde, sendo o médico que acompanha o doente quem poderá indicar qual o tratamento adequado a cada caso. As instruções do médico e dos restantes profissionais de saúde que o acompanham devem ser rigorosamente seguidas, pelo que sugerimos que contacte sempre o seu médico.