CANCRO DO RIM: FORMAS DE DIAGNÓSTICO

Se um doente tiver sintomas que possam levar a pensar em cancro do rim, o médico deve realizar um ou mais dos seguintes procedimentos:

  • Exame físico: O médico avalia os sinais gerais de saúde e vê se há febre ou se a pressão arterial está alta. O médico também deve examinar a pessoa e palpar o abdómen e as regiões laterais procurando a existência de tumores.
  • Análises à urina: Procura-se na urina a existência de sangue e de outros sinais de doença.
  • Análises ao sangue: O laboratório analisa o sangue para ver se os rins estão a funcionar em boas condições. O laboratório pode analisar o nível de algumas substâncias, tais como a ureia e a creatinina. Um nível elevado de ureia e creatinina pode significar que os rins não estão a desempenhar normalmente a sua função.
  • Urografia de eliminação: O médico injecta contraste numa veia do braço da pessoa. O contraste circula através do corpo e passa pelo aparelho urinário. O contraste faz com que os órgãos do sistema urinário se consigam visualizar nas películas radiológicasrins, ureteres e bexiga. Os raios X podem mostrar um tumor renal ou outras lesões. Recentemente este exame tem sido substituído por outro – Uro-TAC.
  • TAC: Um aparelho de tomografia ligado a um computador obtém uma sequência de imagens detalhadas dos rins. Pode haver necessidade de se injectar uma substância de contraste no doente de modo a que os rins apareçam nitidamente nas imagens. Uma TAC pode mostrar um tumor renal.
  • Ultra-sonografia: O ecógrafo utiliza ondas ultra-sónicas que as pessoas não conseguem ouvir. As ondas são reflectidas nos órgãos nomeadamente nos rins, e um computador utiliza o eco para obter uma imagem designada por ecografia Na ecografia aparecem tumores sólidos ou líquidos (ex: quistos).
  • Biópsia: A biópsia consiste na recolha de tecidos para proceder à determinação da existência de células cancerígenas. O médico insere uma agulha fina, através da pele, no rim para remover uma pequena porção de tecido. O médico pode recorrer à ecografia ou a outro método para “guiar” a agulha para a lesão a biopsar. Um patologista determina a existência de células tumorais ou não, através da observação do tecido ao microscópio.

Um doente que necessite de uma biópsia pode requerer colocar ao médico algumas das seguintes questões:

  • Porque necessito de uma biópsia?
  • A biópsia será realizada no hospital? Quanto tempo demorará? Estarei acordado? Vou ter dor?
  • Os resultados demoram muito?
  • Existem riscos? Quais são as probabilidades de ocorrer uma infecção ou hemorragia depois da biópsia?
  • Se tiver cancro, quem falará comigo sobre o tratamento? Quando?
Este site e o seu conteúdo têm um fim exclusivamente informativo e não substituem o aconselhamento médico. Os tratamentos de cada pessoa devem ser individualizados e conduzidos por profissionais de saúde, sendo o médico que acompanha o doente quem poderá indicar qual o tratamento adequado a cada caso. As instruções do médico e dos restantes profissionais de saúde que o acompanham devem ser rigorosamente seguidas, pelo que sugerimos que contacte sempre o seu médico.