EFEITOS SECUNDÁRIOS POSSIVEIS

Tendo em conta que, provavelmente, o tratamento do cancro danifica células e tecidos saudáveis surgem, assim, os efeitos secundários. Alguns efeitos secundários específicos dependem, principalmente, do tipo de tratamento e sua extensão (se são tratamentos locais ou sistémicos). Os efeitos secundários podem não ser os mesmos em todas as pessoas, mesmo que estejam a fazer o mesmo tratamento. Por outro lado, os efeitos secundários sentidos numa sessão de tratamento podem mudar na sessão seguinte. O médico irá explicar os possíveis efeitos secundários do tratamento e qual a melhor forma de os controlar.

CIRURGIA

A cirurgia do cancro do pulmão é uma grande operação. Após a cirurgia do pulmão, o ar e os fluidos tendem a acumular-se no peito. Muitas vezes, a pessoa necessita de ajuda para se virar, tossir e respirar profundamente. No entanto, estas actividades são importantes, para recuperação, porque ajudam na expansão do restante tecido pulmonar e porque ajudam a eliminar o excesso de fluido e ar. Depois de uma cirurgia para o cancro do pulmão, é comum haver dor ou fraqueza no peito e no braço, bem como falta de ar. Para readquirir a energia e força "normais", podem ser necessárias várias semanas ou meses.

QUIMIOTERAPIA

A quimioterapia, afecta tanto as células normais como as cancerígenas. Os efeitos secundários dependem, essencialmente, dos fármacos específicos e da dose (quantidade de fármaco administrada). Os efeitos secundários mais comuns da quimioterapia são náuseas e vómitos, perda de cabelo, feridas na boca e cansaço.

RADIOTERAPIA

A radioterapia, tal como a quimioterapia, afecta tanto as células normais como as células cancerígenas. Os efeitos secundários da radioterapia dependem, principalmente, da zona do corpo que está a ser tratada e da dose de tratamento. Os efeitos secundários mais comuns da radioterapia são: garganta seca e inflamada, dificuldade em deglutir, cansaço, alterações na pele, no local do tratamento e perda de apetite. A radioterapia no cérebro, pode provocar dor de cabeça, alterações na pele, cansaço, náuseas e vómitos, perda de cabelo, problemas com a memória e processos intelectuais.

TERAPÊUTICA FOTODINÂMICA

A terapêutica fotodinâmica torna a pele e os olhos sensíveis à luz, durante aproximadamente 6 semanas, ou mais, após o tratamento. A pessoa deverá ser alertada para evitar a luz do sol, directa e luz forte interior durante, pelo menos, 6 semanas. Se a pessoa tiver que sair de casa, é necessário usar roupa protectora, incluindo óculos de sol. Outros efeitos secundários da PTD podem incluir tosse, dificuldade em engolir, dor ao respirar e falta de ar. Deverá falar com o médico, relativamente ao que fazer se a pele apresentar bolhas, vermelhidão ou inchaço. Se tal acontecer, avise o seu médico.

Em qualquer estadio da doença, podem ser administrados medicamentos para controlar a dor e outros sintomas do cancro, bem como para aliviar os possíveis efeitos secundários do tratamento. Estes tratamentos são designados como tratamentos de suporte, para controlo dos sintomas ou cuidados paliativos.

Poderá, ainda, querer falar com o médico sobre a possibilidade de participar num ensaio clínico, ou seja, num estudo de investigação de novos métodos de tratamento.

Colocar algumas questões ao médico, pode ajudar a compreender melhor a situação.

  • Que efeitos secundários devo esperar? Quanto tempo durarão?
  • Que efeitos secundários devo referir? A quem devo comunicar?
Este site e o seu conteúdo têm um fim exclusivamente informativo e não substituem o aconselhamento médico. Os tratamentos de cada pessoa devem ser individualizados e conduzidos por profissionais de saúde, sendo o médico que acompanha o doente quem poderá indicar qual o tratamento adequado a cada caso. As instruções do médico e dos restantes profissionais de saúde que o acompanham devem ser rigorosamente seguidas, pelo que sugerimos que contacte sempre o seu médico.