CANCRO COLO-RECTAL: TESTES E ESTADIAMENTO

Se a biópsia comprovar a existência de um cancro, o médico precisa de saber qual a extensão (estadio) da doença, para melhor planear o tratamento. O estadio da doença, está relacionado com o facto do tumor ter, ou não, invadido os tecidos vizinhos, e de se ter disseminado para outras partes do corpo. O estadiamento pode envolver alguns dos seguintes testes e procedimentos:

Análises sanguíneas: o médico pede análises, para saber se o antigénio carcino-embriónico (CEA), bem como outras substâncias específicas, são detectadas no sangue. Algumas pessoas com cancro colo-rectal, ou outras doenças, apresentam um nível elevado de CEA .

Colonoscopia: se a colonoscopia não foi realizada para o diagnóstico, o médico observa, agora, toda a extensão do cólon e do recto, com um colonoscópio, para detectar outras possíveis zonas anómalas.

Ecografia endorectal: é inserida uma sonda no recto; esta sonda envia ondas sonoras, não audíveis pelas pessoas. As ondas são reflectidas pelo recto e pelos tecidos circundantes e um computador usa os ecos para criar uma imagem. A imagem (ecografia), mostra a profundidade do crescimento do tumor rectal ou se este metastizou para os gânglios linfáticos ou para outros tecidos.

Radiografia ao tórax: o raio-X do tórax, pode demonstrar se o tumor se metastizou para os pulmões.

TAC: através de uma máquina de raio-X, ligada a um computador, é feita uma série de imagens pormenorizadas, de zonas dentro do organismo. A pessoa pode fazer uma injecção de corante. Os tumores no fígado, nos pulmões ou noutro local, aparecem na TAC.

O médico também pode usar outros exames como, por exemplo, a ressonância magnética - RM, para perceber se o cancro se disseminou. Por vezes, o estadiamento não está terminado, até que a pessoa faça uma cirurgia para remoção do tumor (a cirurgia para o cancro colo-rectal, está descrita na área Tratamento).

O médico classifica o cancro colo-rectal através dos seguintes estadios:

  • Estadio 0: o tumor encontra-se, apenas, no revestimento interior do cólon e do recto. Carcinoma in-situ é outra designação dada ao estadio 0 do cancro colo-rectal.
  • Estadio I: o tumor desenvolveu-se para dentro da parede do cólon e do recto. No entanto, não atingiu a parede exterior do cólon, nem passou para o exterior do cólon . Duke's A é outro nome para o estadio I do cancro colo-rectal.
  • Estadio II: o tumor desenvolveu-se mais profundamente para o interior da parede do cólon ou através da parede do cólon ou do recto. Pode ter invadido tecidos circundantes, mas as células cancerígenas não chegaram aos gânglios linfáticos. Duke's B é outro nome para o estadio II do cancro colo-rectal.
  • Estadio III: o tumor já atingiu os gânglios linfáticos vizinhos, mas não chegou a outras partes do corpo. Duke's C é outro nome para o estadio III do cancro colo-rectal.
  • Estadio IV: o tumor já metastizou para outras partes do corpo como, por exemplo, o fígado ou os pulmões. Duke's D é outro nome para o estadio IV do cancro colo-rectal.
  • Recidiva do cancro: esta situação corresponde a um tumor que foi tratado e que voltou passado um tempo. A recidiva pode surgir no cólon, no recto ou noutra parte do organismo.
Este site e o seu conteúdo têm um fim exclusivamente informativo e não substituem o aconselhamento médico. Os tratamentos de cada pessoa devem ser individualizados e conduzidos por profissionais de saúde, sendo o médico que acompanha o doente quem poderá indicar qual o tratamento adequado a cada caso. As instruções do médico e dos restantes profissionais de saúde que o acompanham devem ser rigorosamente seguidas, pelo que sugerimos que contacte sempre o seu médico.