CANCRO COLO-RECTAL: FORMAS DE DETECÇÃO

O rastreio do cancro, antes de haver sintomas, pode ajudar o médico a encontrar e tratar, precocemente, pólipos, ou mesmo algum tumor. Detectar e remover quaisquer pólipos existentes pode prevenir o cancro colo-rectal. Adicionalmente, se a doença for detectada em estadio precoce, é mais provável que o tratamento seja eficaz.

Existem medidas eficazes para detectar pólipos, ou mesmo cancro colo-rectal, em fase inicial:

  • Pessoas com idade igual ou superior a 50 anos devem fazer rastreio, mesmo que não tenham factores de risco..
  • Se apresentar risco mais elevado do que a média, para ter cancro colo-rectal, deve falar com o médico, relativamente a fazer exames de rastreio antes dos 50 anos; deverá saber quais os exames a fazer, incluindo benefícios e riscos de cada um e qual a frequência das consultas médicas.

Para detectar pólipos, tumores ou outras situações anómalas, no cólon e no recto, são usados os seguintes testes de rastreio:

  • Pesquisa de sangue oculto nas fezes (PSQF): por vezes, o tumor ou os pólipos sangram, e através desta pesquisa (PSQF), podem ser detectadas pequenas quantidades de sangue nas fezes. Se nesta análise for detectado sangue, serão necessários testes adicionais para encontrar a origem do sangue. Há situações benignas, como as hemorróidas, que podem provocar sangue nas fezes.
  • Sigmoidoscopia: neste exame, o médico observa o interior do recto e do cólon descendente, com um tubo iluminado, chamado sigmoidoscópio. Se detectar pólipos, estes serão removidos. O procedimento para remoção de pólipos chama-se polipectomia.
  • Colonoscopia: o médico observa o interior do recto e da totalidade do cólon, usando um longo tubo iluminado, chamado colonoscópio. Quaisquer pólipos que sejam detectados, serão removidos pelo médico.
  • Clister opaco com duplo-contraste: este procedimento envolve vários raios-X do cólon e do recto. É dado, ao doente, um clister com uma solução de bário e é bombeado ar para dentro do recto. O bário e o ar delimitam o cólon e o recto nas imagens de raios-X. Podem aparecer pólipos na radiografia.
  • Toque rectal: um exame como o toque rectal faz, geralmente, parte do exame físico de rotina. O médico, depois de colocar umas luvas, introduz um dedo lubrificado no recto, para detectar zonas anómalas na parte inferior do recto.

O médico pode explicar-lhe, de forma mais detalhada, cada teste.

Relativamente ao rastreio, poderá querer colocar ao seu médico algumas das seguintes questões:

  • Que exames me recomenda fazer? Porquê?
  • Quanto custam os exames médicos? Será que o meu seguro médico vai comparticipar os exames de rastreio?
  • Os exames fazem doer?
  • Quanto tempo depois de fazer os exames saberei os resultados?
Este site e o seu conteúdo têm um fim exclusivamente informativo e não substituem o aconselhamento médico. Os tratamentos de cada pessoa devem ser individualizados e conduzidos por profissionais de saúde, sendo o médico que acompanha o doente quem poderá indicar qual o tratamento adequado a cada caso. As instruções do médico e dos restantes profissionais de saúde que o acompanham devem ser rigorosamente seguidas, pelo que sugerimos que contacte sempre o seu médico.