CANCRO DA PRÓSTATA: TESTES E ESTADIAMENTO

Para poder planear melhor o tratamento do cancro da próstata, o médico precisa de saber a extensão (estadio) da doença. O estadio baseia-se no tamanho do tumor, na disseminação (metastização) do tumor para os gânglios linfáticos, e na sua metastização para outras partes do corpo (metastização à distância).

O médico pode pedir raios-X, análises clínicas e outros testes ou procedimentos, para perceber a extensão da doença.

Para definir o estadio do tumor, o médico pode, ainda, pedir os seguintes exames:

  • Estudo do osso com radioisótopos (cintigrafia óssea): é injectada uma pequena quantidade de substância radioactiva, que entra na corrente sanguínea e deposita-se em áreas de crescimento ósseo anómalo. Através de um aparelho chamado scanner, a radioactividade é detectada e medida. O scanner regista a imagem desses ossos num filme de raio-X. O nosso organismo elimina rapidamente a substância radioactiva.
  • TAC (ou TC) - tomografia axial computorizada: através de uma máquina de raios-X, ligada a um computador, é efectuada uma série de imagens detalhadas dos órgãos. Pode, adicionalmente, ser-lhe administrado um contraste (como um corante), para tornar estas imagens mais fáceis de ler.
  • RM (ressonância magnética): através de um íman forte, ligado a um computador, são criadas imagens detalhadas de determinadas zonas do corpo. O médico pode, depois, ver essas imagens num monitor e imprimi-las em filme.

O médico pode descrever o estadio do cancro da próstata, usando numeração romana (I-IV):

  • Estadio I: tumor não palpável, durante o exame rectal. É detectado "por acaso", quando se faz uma cirurgia por outro motivo, geralmente por HPB. O tumor está circunscrito à próstata.
  • Estadio II: tumor mais avançado, mas que ainda não metastizou.
  • Estadio III: tumor que se espalhou para além da camada exterior da próstata. Pode ser encontrado nas vesículas seminais, mas ainda não atingiu os gânglios linfáticos.
  • Estadio IV: tumor com uma, ou mais, das seguintes características:
    • Tumor que invadiu a bexiga, o recto ou as estruturas circundantes (para além das vesículas seminais).
    • Tumor que metastizou para os gânglios linfáticos.
    • Tumor que metastizou para outras partes do corpo, como por exemplo para os ossos.
  • Recidiva do cancro da próstata: corresponde a um tumor que foi tratado, e que voltou passado um tempo. A recidiva pode surgir na próstata, ou noutra parte do organismo.
Este site e o seu conteúdo têm um fim exclusivamente informativo e não substituem o aconselhamento médico. Os tratamentos de cada pessoa devem ser individualizados e conduzidos por profissionais de saúde, sendo o médico que acompanha o doente quem poderá indicar qual o tratamento adequado a cada caso. As instruções do médico e dos restantes profissionais de saúde que o acompanham devem ser rigorosamente seguidas, pelo que sugerimos que contacte sempre o seu médico.