CANCRO DA BEXIGA: QUEM ESTÁ EM RISCO

Não se sabe com exactidão quais as causas do cancro da bexiga. Contudo, sabe-se que não é uma doença contagiosa. Ninguém “apanha” cancro através de outra pessoa.

As pessoas que desenvolvem cancro da bexiga têm maior probabilidade de apresentar determinados factores de risco. Um factor de risco é algo que aumenta a possibilidade de vir a desenvolver uma doença.

Contudo, a maioria das pessoas com factores de risco conhecidos não desenvolve cancro da bexiga e, além disso, muitas das pessoas afectadas por esta doença não apresentam qualquer destes factores. Os médicos raramente conseguem explicar por que razão algumas pessoas desenvolvem este tipo de cancro e outras não.

A partir dos estudos realizados, foi possível definir os seguintes factores de risco para o cancro da bexiga:

  • Idade. A probabilidade de desenvolver cancro da bexiga aumenta com a idade. As pessoas com menos de 40 anos raramente manifestam esta doença.

  • Tabagismo. O tabaco é um dos principais factores de risco. Os fumadores de cigarros têm uma probabilidade duas a três vezes superior de desenvolver cancro da bexiga do que os não fumadores. Os fumadores de cachimbo e charutos apresentam também um risco acrescido.

  • Profissão. Alguns profissionais estão em maior risco de desenvolver cancro da bexiga devido à presença de carcinogénios no local de trabalho. Os trabalhadores da indústria da borracha, química e das peles são grupos de risco, assim como os cabeleireiros, maquinistas, operários metalúrgicos, tipógrafos, pintores, trabalhadores têxteis e camionistas.

  • Infecções. Estar infectado com determinados parasitas aumenta o risco de cancro da bexiga. Estes parasitas são mais frequentes em regiões tropicais.

  • Tratamento com ciclofosfamida ou arsénico. Estes fármacos são utilizados no tratamento do cancro e de outras patologias e aumentam o risco de cancro da bexiga.

  • Raça. Os indivíduos da raça caucasiana registam uma incidência de cancro da bexiga duas vezes superior à da raça afro-americana e hispânica. Os indivíduos da raça asiática apresentam a menor taxa de incidência.

  • Sexo. Os homens têm uma probabilidade duas a três vezes superior de desenvolver cancro da bexiga do que as mulheres.

  • Antecedentes familiares. As pessoas com familiares que tiveram cancro da bexiga têm maior probabilidade de desenvolver a doença. Os investigadores estão a estudar alterações em determinados genes que podem aumentar o risco de cancro da bexiga.

  • Antecedentes pessoais de cancro da bexiga. As pessoas que já tenham tido cancro da bexiga têm maior probabilidade de desenvolver novamente a doença.

No tratamento da água é adicionado cloro, de modo a torná-la segura para beber; o cloro mata bactérias letais. Contudo, com esta substância podem formar-se produtos derivados do cloro em água desinfectada. Há mais de 25 anos que os investigadores estudam os produtos derivados do cloro. No entanto, até à data, não existem provas de que a água desinfectada com cloro possa causar cancro da bexiga. Esta questão continua a ser objecto de estudo.

Alguns estudos revelaram que a sacarina, um adoçante artificial, provoca cancro da bexiga em animais. As investigações não permitem, porém, concluir que a sacarina provoca este tipo de cancro nos seres humanos.

As pessoas com factores de risco para o cancro da bexiga devem abordar esta questão com o médico assistente. O médico poderá sugerir formas de reduzir o risco e elaborar um plano adequado de exames médicos.

Este site e o seu conteúdo têm um fim exclusivamente informativo e não substituem o aconselhamento médico. Os tratamentos de cada pessoa devem ser individualizados e conduzidos por profissionais de saúde, sendo o médico que acompanha o doente quem poderá indicar qual o tratamento adequado a cada caso. As instruções do médico e dos restantes profissionais de saúde que o acompanham devem ser rigorosamente seguidas, pelo que sugerimos que contacte sempre o seu médico.