A Roche não se limita a vender produtos

Antes de chegar à Roche conheci e trabalhei com pessoas ligadas à empresa e percebi que era uma cultura com a qual me identificava. Tinha boas referências da companhia e, quando surgiu uma oportunidade, candidatei-me e entrei num processo de recrutamento exigente e que primou pelo rigor. Fui selecionado e faço parte da Roche desde o final de 2010.

Entrei na Roche como Account Manager para reforçar a equipa do Norte. Trabalhei no departamento de Vendas aproximadamente três anos e depois fui convidado para um projeto novo na área da consultoria, o Lab Solutions, onde estive até ao final de 2015, quando passei para o Marketing.

Estes anos na Roche têm sido marcados por um forte entusiasmo. Desde que estou na Roche já tive vários desafios, este foi mais um que agarrei.

A mudança de departamento, funções e cidade - porque me trouxe até Lisboa - era algo que ambicionava. Já tinha trabalhado no departamento de Marketing fora da Roche e sempre foi algo de que gostei. Sou licenciado em microbiologia, mas tinha feito uma pós-graduação em Marketing e outra em Gestão em Saúde e tinha esta vontade identificada.

Uma das coisas boas da Roche é termos os nossos Individual Development Plans (IDP) e podermos ir sinalizando ao longo do tempo aquilo que queremos fazer e como é que queremos evoluir. No meu caso, aproximei-me do departamento de Marketing e trabalhei em alguns projetos da área, comecei pelo Marketing de Serviços, depois passei pelo Market Access. Quando a oportunidade surgiu fizeram-me o convite para integrar o departamento de Marketing.

Há sempre espaço para crescer, haja vontade determinação e capacidade.

A Roche valoriza as pessoas que já pertencem à organização e, em linha com o desenvolvimento e discussão dos IDP, primeiro olha-se para as nossas pessoas. Isto deixa os colaboradores motivados e com noção da perspetiva de crescimento que têm pela frente.

É bom termos a oportunidade de mudar de área se nos sentimos melhor noutra função sem ser preciso sair da organização. Para a empresa penso que também é positivo poder contar com as pessoas que já conhecem a casa, vivem a cultura e os valores. Acho que é muito bom.

O facto de sermos uma empresa multinacional, onde temos esta perspetiva de carreira, é muito importante. Eu sempre quis evoluir, lutei por isso e consegui. E vejo várias pessoas a fazer o mesmo.

Acreditar nos valores Roche

Os valores Roche são vividos e promovidos diariamente, as pessoas começam a integrar-se neste espírito à medida que o tempo vai passando. Há uma identificação com a forma de trabalhar que está implícita nos valores e na cultura da Roche. E eu tento passar esses valores porque acredito neles, isso é que é a parte essencial, principalmente porque trabalhamos no mercado da saúde.

Estes valores refletem-se também na responsabilidade social, porque fazemos parte de uma sociedade e de um mercado - saúde - onde temos muito impacto como empresa. Vemos isto tanto nas iniciativas internas dos colaboradores, nomeadamente nas ações de solidariedade social realizadas no âmbito do Coração Roche, como na componente corporativa, com a promoção de uma venda responsável e de uma utilização responsável dos nossos produtos.

Para mim, uma das grandes vantagens de trabalhar na Roche é o posicionamento da empresa: gosto particularmente de saber que trabalho numa organização que quer trazer valor para o mercado.

A Roche não se limita a vender produtos, temos a preocupação de acrescentar valor.

Obviamente que temos a preocupação de vender, mas acima de tudo queremos ser parceiros dos nossos clientes, queremos apresentar soluções que tragam valor e inovação. Acho que é isto que define a nossa organização: a procura por fazer algo melhor e trazer algo melhor para o mercado. Daí também o nosso investimento em inovação.

Para nós enquanto colaboradores é desafiante saber que há sempre coisas novas, novos produtos para lançar. Na divisão de Diagnósticos sentimos muito isso, há sempre um desafio, uma novidade, lançamentos de áreas e produtos novos.

É essencial ter pessoas motivadas

A Roche preocupa-se em dar-nos suporte. Quem aqui trabalha sente que a empresa procura apoiar-nos e dar-nos qualidade de vida em vários aspetos. E vemos isto nas próprias instalações, mas também nos serviços de apoio que a Roche disponibiliza: massagens, lavagem de carro, entrega de medicamentos no edifício, serviço de lavandaria com recolha, entre outros.

Um exemplo muito prático disto foi a minha busca por um colégio para o meu filho. A minha mudança de funções implicou trocar o Porto por Lisboa e a minha primeira seleção de visitas passou pelas parcerias que a Roche tem com alguns colégios, porque sei que há colegas meus que já conhecem e recomendam.

Isto tem um valor efetivo na nossa vida. É valor para nós, é algo de que precisamos e é bom saber que a empresa tem essa preocupação, de nos ajudar na vida pessoal e na gestão do nosso dia-a-dia.

A Roche quer ter as melhores pessoas a trabalhar e quer ter essas pessoas motivadas. Acho que este é o princípio da Roche. É por isso que a empresa defende que haja equilíbrio entre a vida pessoal e a profissional.

E apesar de existirem sempre momentos de desmotivação, aqui sentimos sempre o apoio da equipa e da nossa chefia. Sinto muito o trabalho de equipa e sei que todos trabalhamos com um objetivo comum.