Juntar-me à Roche foi a melhor decisão que tomei na minha vida

Cheguei à Roche em abril de 2010. Quando me apresentaram a Roche Diabetes Care, a unidade da divisão de Diagnósticos da Roche, eu estava a trabalhar na área farmacêutica e integrar a equipa da Roche foi uma decisão muito ponderada.

Fui contactada para uma área que não era a minha, mas decidi ouvir a proposta, porque, como um diretor um dia me disse, “para ouvir estamos sempre disponíveis, quanto mais não seja para nos darmos a conhecer e conhecermos o projeto”.

O meu processo de recrutamento foi rápido e incluiu entrevistas com o diretor da unidade Diabetes Care na altura e com o departamento de Recursos Humanos da sub-região noroeste. Fizeram-me uma proposta e, depois de a ponderar, aceitei. Apesar de saber que ia ser uma grande mudança, na altura eu era Head of Sales da área Farmacêutica noutro grupo, o projeto que me apresentaram era muito interessante e em termos de crescimento - viria reportar ao Head do país - era uma oportunidade ótima.

Durante estes anos percebi claramente que a Roche tem uma coisa que mais nenhuma empresa na indústria farmacêutica tem: é uma empresa completamente orientada para as pessoas. A coisa mais importante da organização somos nós. Claro que existe o negócio, temos de dar lucro, mas nunca conheci uma empresa que se preocupasse genuinamente com os colaboradores - tanto enquanto pessoas, como com o desenvolvimento profissional de cada um.

Máxima responsabilidade, máxima liberdade

Quem trabalha na Roche sabe que defendemos o equilíbrio entre liberdade e responsabilidade. Nós é que somos responsáveis pelo nosso desenvolvimento, o ónus está em nós, para discutirmos com a nossa chefia e propormos o caminho que queremos seguir.

Nós damos máxima liberdade, porque temos máxima responsabilidade. E acreditamos que as pessoas assim se desenvolvem, porque são responsáveis.

Todos temos um plano de carreira e temos um forte apoio e orientação. Em conjunto, pensamos e avaliamos se faz sentido o caminho que estamos a traçar, porquê, e, se for o melhor, como é que potenciamos o desenvolvimento para alcançar o objetivo.

Na posição de Head of Sales sou responsável por uma equipa de vendas e tenho de, por um lado, assegurar o cumprimento da estratégia da organização e, por outro, ajudar cada pessoa da equipa a desenvolver-se – isto para mim é essencial e diz muito sobre o que é a Roche.

Outro aspeto muito relevante é o respeito pela vida pessoal dos colaboradores. Por exemplo, na minha equipa, optámos por não enviar e-mails depois das 19h para garantir que há tempo de qualidade com a família. É certo que todos temos tarefas a fazer, mas só estando bem na nossa vida pessoal e familiar é que conseguimos entregar o máximo de nós no trabalho.

União de forças na Roche Portugal

Em Portugal as divisões de Diagnósticos e Farmacêutica partilham o edifício e, a meu ver, esta proximidade faz todo o sentido. Além da partilha de serviços entre divisões, pessoalmente permite-me beneficiar das ações do Grupo Desportivo da Roche (GDR). E ainda bem, porque o GDR é, para mim, uma grande mais-valia. A festa de Natal organizada para os filhos dos colaboradores e o Arraial no verão para as nossas famílias são os meus preferidos; para a minha filha estes momentos são muito bons.

Também gosto muito do jantar de Natal. A equipa da Diabetes Care junta-se aos colegas da divisão Diagnósticos e conseguem criar-se momentos em que nos desligamos mesmo de tudo e conseguimos divertir-nos todos juntos. E isso fica connosco.

Ser uma agente de mudança na Diabetes

Eu sinto-me desafiada todos os dias. Da minha chefia sinto uma visão estratégica e uma liderança muito humana, com uma grande vertente de mentoring, que me ajuda a pensar de outra forma.

Consigo sentir que o que eu faço faz realmente a diferença na vida dos doentes - isto não tem preço.

O projeto EVOLVE contribui para isto. Este projeto da Diabetes Care a nível mundial junta colegas de diferentes filiais e funções com o objetivo de que cada um seja um agente de mudança, porque cada um de nós pode fazer a diferença nos seus locais de trabalho e no seu país.

Para mim é uma aprendizagem muito grande. A partilha das aprendizagens dos outros ajuda a que todos possamos fazer melhor e antecipar problemas. É um projecto muito interessante que pretende contagiar uma atitude de mudança para podermos crescer enquanto organização e fazer a diferença naqueles que são a nossa prioridade: as pessoas com diabetes.

Quando entrei na Roche, saí completamente da minha zona de conforto. Mas sinto que foi a melhor decisão que tomei na minha vida, tanto a nível pessoal como profissional. E se alguém tem dúvidas sobre juntar-se a nós, só posso dizer que aqui vai ter apoio para descobrir o seu caminho. Não se encontra outra empresa assim, onde as pessoas são a real preocupação.