Agarrei uma oportunidade única

O que seria um período de substituição por licença de maternidade no departamento de Regulatory Affairs acabou por permitir-me abraçar uma área que me despertou grande curiosidade: a área de Business Analysis. O meu percurso na Roche é um exemplo de que esta é uma empresa que aposta no talento interno.

Quem me ouve falar reconhece o meu sotaque do norte. Vim de Esposende para Lisboa para trabalhar na indústria farmacêutica, depois de me licenciar em Farmácia. Cheguei à Roche em novembro de 2013 para substituir uma colega durante o período de licença de maternidade na área regulamentar, uma área que já conhecia por ter estagiado noutro grupo farmacêutico.

Quando concorri à Roche a minha expectativa inicial era de que ficaria apenas durante a licença de maternidade, surgiu a oportunidade e integrei os quadros da companhia na área de Regulatory Affairs. Cresci muito desde que entrei para a Roche, tanto a nível profissional como pessoal. E porque estive envolvida em projetos e equipas diferentes, tive diferentes níveis de interação e comecei a perceber que onde queria realmente desenvolver-me era na área de Strategic Business Analysis.

Era isto que queria mesmo fazer e era por aqui que queria construir a minha carreira, numa vertente mais analítica e estratégica. Estruturei o meu plano de desenvolvimento precisamente nesse sentido, sinalizei o meu interesse e procurei desenvolver-me nessa área. A minha oportunidade surgiu com uma vaga no departamento de Strategic Business Analysis à qual concorri para a posição de Junior Business Analyst. A verdade é que podiam ter procurado uma pessoa fora da companhia, ou alguém com experiência na área, mas apostaram no meu desenvolvimento.

Fiquei muito feliz, porque senti que estava a perseguir uma paixão minha e que a empresa me deu essa oportunidade.

Estou com novas funções desde fevereiro de 2016 e esta mudança está a superar as minhas expectativas. Pertenço a uma equipa que potencia muito o desenvolvimento, há muito coaching e têm sempre um espírito muito positivo. Há sempre boa disposição aliada ao profissionalismo e à transmissão de conhecimento.

Sinto-me privilegiada

Olhando para trás e pensando na alteração que vivi, sabendo que são áreas muito diferentes, sinto-me uma privilegiada por ter tido esta oportunidade de mudança. Sei que quando há vagas novas a primeira opção da companhia é avaliar o talento e potencial de preenchimento da vaga internamente, mas mais do que saber, eu sou um exemplo disso.

Isto demonstra que a progressão e evolução das pessoas - com novos desafios e oportunidades de desenvolvimento - são valorizadas pela companhia. É algo natural, desde que sinalizadas as intenções e traçado o plano de desenvolvimento em conjunto com a chefia e o Departamento de Recursos Humanos.

Considero que o meu percurso tem sido surpreendente. Eu entrei e senti de imediato uma pertença muito grande e isso inspirou-me a chegar mais longe, a fazer melhor, em todos os aspetos. Temos um ambiente de trabalho extraordinário, com condições de trabalho, pessoas e uma filosofia únicas.

A Roche, para mim, é uma inspiração.

Se pensarmos nas infraestruturas, temos salas pensadas para nos ajudar a estimular o pensamento criativo ou que nos permitem relaxar, um ginásio onde podemos praticar desporto. Quando falo nas pessoas que aqui trabalham, refiro-me à boa disposição, profissionalismo e energia que está presente diariamente. Isto contribui para um ambiente de trabalho muito salutar. Sem esquecer a filosofia Roche, assente na flexibilidade, que permite que cada um seja o responsável pela gestão do seu tempo e trabalho.

Foco nas pessoas

A Roche é uma empresa que se foca muito nas pessoas.

Aqui sentimos uma valorização humana muito grande e o exemplo mais marcante disto, para mim, foi uma atividade organizada que decorreu pouco depois de eu chegar e que juntou toda a companhia em Sintra para construir a Visão da Companhia para 2018.

Foram dias muito marcantes e vivemos momentos únicos.

Não conheço outra empresa que tenha feito uma atividade destas a um nível tão profundo, porque partilhámos sessões de grupo em que expusemos as nossas fraquezas e fragilidades, as nossas forças e fontes de felicidade.

O objetivo era a visão do negócio, mas o foco esteve sempre nas pessoas.

Também no meu dia-a-dia sinto que há uma grande preocupação com o meu desenvolvimento e, ao mesmo tempo, que confiam em mim e me permitem ser autónoma. A equipa de Strategic Business Analysis acolheu-me e integrou-me de uma maneira imediata e nunca me colocaram um rótulo de idade ou falta de experiência. Isto dá-me uma grande motivação.

Há um espírito muito positivo e uma boa disposição constante e é um privilégio trabalhar com pessoas que me transmitem esta energia. E eu posso dizer que sinto isto todos os dias. É raro, mas vive-se na Roche.