É um orgulho pertencer à Roche

Cheguei à Roche a 17 de janeiro de1994, quando os anúncios de emprego só existiam no papel e a internet não estava, de todo, massificada. Respondi a um anúncio no Expresso, passei por um processo de recrutamento exigente e percebi perfeitamente que estava a entrar num ambiente diferente - já naquela altura o era.

Quando cheguei, pensei “Uau! Isto é espetacular”. Assim que entrei percebi que era uma empresa fantástica, vi que era diferente. E eu já vinha de uma empresa com um bom ambiente de trabalho, mas quando entrei na Roche achei que tinha uma energia diferente.

O arranque nos serviços comerciais foi complicado, custou-me um pouco e ao fim de uma semana queria ir embora, achava que era muito difícil para mim. Ainda bem que não fui, ao longo destes anos percebi que não há outra empresa como a Roche.

Estive cerca de cinco anos na faturação e depois fui convidada a fazer parte do projeto de implementação do sistema informático SAP na área das vendas. Foi um projeto fantástico, que integrou colegas das divisões Farmacêutica e de Diagnósticos. A motivação era constante.

Aliás, a motivação é constante na Roche. O meu percurso tem sido marcado por desafios. Depois dos serviços comerciais estive no departamento de Logística e, a propósito da licença de maternidade de uma colega, concorri a uma Job Rotation na área da Qualidade, onde estive seis meses. Esta oportunidade de estar fora da minha zona de conforto fortaleceu-me muito - acho que não há melhor.

Para mim a Roche é motivação desde o primeiro dia. Eu venho trabalhar com prazer.

Em março de 2014, com a expansão do departamento da Qualidade, fui convidada a integrar a equipa a tempo inteiro. A Qualidade foi sempre um bichinho que, mesmo sem eu saber, já tinha em mim.

Em 2016, foi lançada a nível regional uma oportunidade para um Short Assignment em Basileia, à qual me candidatei e para a qual fui selecionada. Durante três meses estou a trabalhar na melhoria de processos da área da Qualidade com colegas de outros países, o que me vai permitir desenvolver novas competências e partilhar experiências.

Uma escola de vida, com uma cultura diferente

A Roche é uma escola para tudo. É uma escola profissional, mas é uma escola de vida. Acho que não falta nada. Não nos sentimos condicionados e temos abertura total para fazer um pedido ou uma sugestão de melhoria. Há uma mente muito aberta e de entreajuda com todos os colegas.

Quem trabalha aqui sente que há uma preocupação constante da companhia com as pessoas, que se reflete nos benefícios que temos.

O facto de ter horário flexível permite-te trabalhar a partir de casa um dia por semana e isso para mim é o melhor neste momento.

É mesmo um orgulho pertencer à Roche, aqui todos vestem a camisola e todos são embaixadores da companhia.

E o departamento de Recursos Humanos tem um peso muito importante. Sabem tudo sobre nós e estão sempre à procura de formas de nos confortar. São as parcerias e benefícios, como o ginásio, o serviço de lavandaria, as entregas da farmácia, que fazem a diferença. Tudo isto faz parte do nosso "salário" e compensa o que podemos não receber em dinheiro.

Em termos de instalações e parcerias, acho que o ginásio é uma mais-valia muito grande. Além de não ter de pagar uma mensalidade, posso deixar o meu carro estacionado aqui e não preciso de sair das instalações para fazer desporto. Faço parte do Grupo Desportivo Roche (GDR) e tive a oportunidade de estar um fim de semana em Londres no âmbito do torneio internacional de futebol RIFT, que em 2016 contou com uma equipa feminina portuguesa pela primeira vez.

No GDR também organizamos outros eventos anuais, como o Arraial, criado para as famílias dos colaboradores, e a Festa de Natal das crianças da Roche. Estes momentos são uma oportunidade de os pais trazerem as crianças à Roche sem ser no horário de trabalho. E depois de visitarem as instalações, a maior parte diz que quer vir trabalhar para a Roche.

Um dos momentos que mais me marcou desde que cheguei à Roche foi o Dia da Companhia de 1994. Estava no meu primeiro ano e não pensava que fosse possível que se parasse um dia para promover o convívio entre os colegas e dedicar um dia a ações deste tipo. Fiquei com a certeza de que trabalhar na Roche é viver uma cultura completamente diferente.

Hoje em dia, para mim, o momento da companhia é o jantar de Natal dos colaboradores, onde todos aguardam a projeção de um vídeo realizado pelos colaboradores que, em jeito de comédia, foca os pontos altos do ano. O vídeo é o auge do jantar de Natal.

Por tudo isto, e muito mais, trabalhar na Roche é um prazer.