Que tipo de testes de diagnóstico existem para detetar a COVID-19?

 

Face à pandemia de COVID-19, a Organização Mundial de Saúde emitiu recomendações para testar em grande escala a população, como um elemento crítico para combater a doença. Os testes atualmente disponíveis diferem consoante o tipo e objetivo, pelo que, neste âmbito, deixamos algumas perguntas e respostas, com base em informações da MedTech Europe.

Existem essencialmente dois tipos de testes usados no contexto da COVID-19, que nos dão informações distintas, pelo que deverão ser solicitados por um profissional de saúde.

 

I - Testes COVID-19 de base molecular: estes testes detetam a presença do vírus SARS-CoV-2 (vírus que causa a COVID-19)

II - Testes serológicos: estes testes detetam a resposta imunitária contra o vírus (produção de anticorpos)

 

I - Testes COVID-19 de base molecular

1 - O que são testes COVID-19 de base molecular? 

Estes testes detetam a presença do vírus, mas não se a pessoa teve contacto anterior com o vírus.   

Um teste molecular é uma técnica altamente sensível e específica. Os testes permitem testar as pessoas numa fase precoce da infeção. Permitem também, quando realizados em grande escala, pressupor a natureza e a propagação do vírus em toda uma população. Trata-se de uma informação importante para confirmação de casos e orientações de isolamento para as autoridades, a fim de tomar medidas adequadas para proteger as pessoas.  

 

2 - Como funcionam os testes de base molecular? 

Os testes COVID-19 de base molecular funcionam com uma amostra retirada do nariz ou da parte posterior da garganta. Os testes analisam material genético viral específico que mostra a presença do vírus no organismo. 

 

3 - Como são realizados estes testes? 

O primeiro passo é recolher uma amostra através de uma zaragatoa inserida no nariz ou na parte posterior da garganta, o que pode ser feito em qualquer lugar se o pessoal médico estiver bem protegido através da utilização de equipamentos de proteção individual (EPI). 

A preparação e análise da amostra acontece geralmente em laboratórios especializados através da utilização de sistemas moleculares de grande porte. 

Existem também testes moleculares de "point of care". Estes podem ser realizados com dispositivos móveis em clínicas, consultórios médicos ou mesmo em locais de drive-in móveis.

 

II - Testes serológicos para a COVID-19 

 

1 - O que são testes serológicos para deteção da COVID-19? 

Estes testes detetam a resposta imunológica contra o vírus (a produção de anticorpos), o que significa, se positivos, contacto com o vírus.

Os testes serológicos, também chamados imunoensaios, estão disponíveis em muitos formatos e diferentes variações, detetando de forma qualitativa ou quantitativa se uma pessoa desenvolveu anticorpos contra o vírus. 

Estes testes tornam-se importantes numa fase posterior da infeção, uma vez que os anticorpos precisam de cerca de 5-10 dias para se desenvolverem e serem detetáveis no sangue. Quando realizados em larga escala na população, podem dar-nos informações sobre a taxa de exposição ao vírus de uma população e, por conseguinte, orientar adequadamente as autoridades nos seus esforços para atenuar as medidas restritivas sociais.

 

2 - Como funcionam estes testes? 

Os testes serológicos funcionam com uma amostra de sangue. Os testes detetam a presença de anticorpos (IgM e IgG). As IgM desenvolvem-se primeiro, o que sugere que a pessoa ainda se encontra numa fase bastante precoce da infeção.  Um pouco mais tarde na infeção surgem as IgG que durante um período de tempo são detetadas em paralelo com as IgM. Finalmente, ao recuperar da doença, as IgM desaparecem e apenas as IgG permanecem (processo de seroconversão). Contudo, na COVID-19, o padrão de seroconversão pode ser diferente e não sabemos quanto tempo as IgG permanecem e que níveis poderão potencialmente conferir imunidade.  

Para um teste serológico, o nível de exatidão é importante. É definido pela sua sensibilidade (capacidade de detetar pessoas infetadas) e pela sua especificidade (número de falsos positivos). Uma boa sensibilidade significa muito poucos resultados falsos negativos, uma boa especificidade significa muito poucos resultados falsos positivos.  

 

3 - Como são realizados estes testes? 

A primeira etapa da colheita de uma amostra de sangue pode ser realizada em qualquer lugar, se os profissionais de saúde estiverem bem protegidos através da utilização de equipamentos de proteção individual (EPI). 

A preparação e análise da amostra de sangue é efetuada em laboratórios clínicos em grandes sistemas automatizados.  Os testes serológicos point of care podem ser realizados com dispositivos portáteis móveis em clínicas, consultórios médicos ou mesmo em locais de drive-in móveis. 

 

III - Segurança e desempenho dos testes para deteção da COVID-19

Todos os testes para deteção da COVID-19 devem obedecer a procedimentos regulamentares rigorosos antes de entrarem no mercado, legislação que estabelece os requisitos essenciais para a segurança e realização dos testes de diagnóstico. Ao mesmo tempo, existem mecanismos de vigilância do mercado para garantir que os produtos são objeto de controlo após a sua introdução no mercado.  

É crucial, mais do que nunca, que os requisitos e procedimentos estabelecidos pela legislação sejam seguidos. Isto garante a realização de testes fiáveis e precisos na luta contra a pandemia da COVID-19. 

 

 

 

 

 

Fonte: MedTech Europe (2020). What Types of Diagnostic Tests Exist to Detect COVID-19? (publicado a 10 de abril de 2020). Disponível em https://www.medtecheurope.org/resource-library/what-types-of-diagnostic-tests-exist-to-detect-covid-19/ (Consultado em abril de 2020) 

 

 

 


© 2020 Roche Sistemas de Diagnósticos, Lda.
Data da última revisão: 05.05.2020