Roche apoia o desenvolvimento da Medicina de Precisão em Portugal

Está apresentada a “Agenda Estratégica para o Futuro da Medicina de Precisão em Portugal”, uma iniciativa da Associação Portuguesa dos Administradores Hospitalares (APAH), com o apoio institucional da Ordem dos Médicos e o apoio técnico da EY.

A Roche apoia esta inicitiva da APAH e quer ajudar a promover o diálogo e a informação pública sobre o desenvolvimento da medicina de precisão em Portugal.

A Medicina de Precisão permite melhorar a rapidez e eficácia dos diagnósticos, evitando a prescrição de terapêuticas desnecessárias, ineficazes e dispendiosas. A nível económico, isso significa uma utilização racional e eficiente dos recursos disponíveis, diminuindo o desperdício e custos associados a tratamentos ineficazes e respetivos efeitos secundários.

A Agenda Estratégica, agora apresentada, propõe um plano de iniciativas realizado num período de quatro anos, entre 2020 e 2023, prazo no qual se inclui a realização de dois projetos-piloto, em instituições hospitalares do SNS: um deles terá como foco a integração dos dados de saúde (clínicos, genómicos, de imagiologia médica e fornecidos pelos doentes) e o desenvolvimento da algoritmos de suporte à decisão clinica; o segundo projeto-piloto terá como objetivo principal assegurar o acesso dos cidadãos a tratamentos personalizados e o desenvolvimento de um modelo de financiamento sustentável.

Esta agenda estratégica identifica desafios e define cinco grandes objetivos:

  • Melhorar os resultados clínicos através do acesso equitativo a cuidados de saúde personalizados, o que exige o acesso a diagnósticos e tratamentos inovadores e capacitar centros para darem resposta a esses mesmos tratamentos.
  • Guiar a prática clínica através de dados clínicos, genómicos e dados disponibilizados pelo cidadão, o que obriga à definição de uma política nacional de dados em saúde, bem como à implementação de uma estrutura de dados nacional de suporte.
  • Garantir a sustentabilidade financeira na implementação da medicina de precisão, uma vez que são expectáveis novos custos associados à aquisição de equipamentos, ao uso de terapêuticas mais sofisticadas e caras e às alterações aos sistemas informáticos.
  • Aumentar a capacidade de Portugal para desenvolver inovação na área de Medicina de Precisão através da promoção da inovação.
  • Reforçar a participação do cidadão na sua saúde, promovendo a literacia em saúde e medicina personalizada.