TRANSPLANTE ALOGÉNICO

Dado que um irmão ou o dador compatível não sofrem de linfoma não-Hodgkin, não necessitam de se submeter a quimioterapia antes da colheita das células estaminais. A colheita pode realizar-se assim que o doente esteja pronto, para que as células estaminais estejam frescas depois de terem sido transportadas do dador para o doente, o que pode, ou não, ter lugar no mesmo hospital.

Embora a taxa de sucesso do transplante de células de sangue periférico alogénico seja potencialmente mais elevada do que a do transplante autólogo, dado que o dador não sofre de linfoma não-Hodgkin, os riscos para os doentes submetidos a esta forma de tratamento são superiores.

Independentemente da compatibilidade do dador, em virtude de as células transplantadas, não serem idênticas às do doente, pode ocorrer uma reacção do tipo imunitário. Neste tipo de transplante têm de ser administrados ao doente medicamentos que inibam o seu sistema imunitário para que este não rejeite as células que não lhe pertencem. O sistema imunitário do doente pode 'rejeitar' as células doadas e combatê-las como se se tratasse de bactérias. O doente pode sofrer de 'doença do hospedeiro contra o enxerto', em que as células imunes transplantadas combatem as próprias células do doente por as considerarem 'estranhas' ao sistema imunitário do dador. Se não for tratada, esta situação pode provocar diarreia, erupções cutâneas e lesões hepáticas, podendo mesmo tornar-se muito grave ou potencialmente fatal.

No entanto, existem fármacos que podem ser administrados para limitar os efeitos da 'doença do hospedeiro contra o enxerto'.  Além disso o médico pode também 'remover' das células estaminais doadas um determinado tipo de células T que se pensa estarem na base desta reacção, especialmente se o dador não for um familiar e a sua compatibilidade não for de 100%.

 

 

Este site e o seu conteúdo têm um fim exclusivamente informativo e não substituem o aconselhamento médico. Os tratamentos de cada pessoa devem ser individualizados e conduzidos por profissionais de saúde, sendo o médico que acompanha o doente quem poderá indicar qual o tratamento adequado a cada caso.

As instruções do médico e dos restantes profissionais de saúde que o acompanham devem ser rigorosamente seguidas, pelo que sugerimos que contacte sempre o seu médico ou farmacêutico.

 

Termos Legais | Política de Privacidade | Glossário

© Todos os direitos reservados Roche Farmacêutica Química Lda