RADIOTERAPIA: EFEITOS SECUNDÁRIOS POSSÍVEIS

A radioterapia exerce menos efeitos nas células saudáveis do que nas células de linfoma.  Mas, porque as células T normais são também muitas vezes afectadas pelo tratamento, podem ocorrer alguns efeitos secundários decorrentes da radioterapia.

Dado que a radioterapia é um tratamento local administrado numa região específica, a maioria dos efeitos secundários depende da área que está a ser tratada. Por exemplo:

  • O tratamento ao abdómen pode provocar náuseas ou diarreia
  • O tratamento ao pescoço ou parte superior do tórax pode afectar as mucosas da boca, garganta e esófago, o que pode provocar dor e dificultar a deglutição (o doente pode ter dor e dificuldade em engolir)
  • O tratamento à cabeça ou a outras regiões com cabelo/pêlos, pode provocar queda de cabelo/pêlos nessa área
  • Por vezes, a pele sobre o linfoma sob tratamento fica queimada avermelhada e inflamada devido à radiação

Além disso, a maioria das pessoas sentem-se cansadas e letárgicas enquanto estão a receber radioterapia e a contagem de glóbulos brancos pode diminuir, o que aumenta a probabilidade de contrair infecções durante o tratamento.

Estes efeitos secundários podem ser ligeiros (provocar um pouco mais do que um leve mal-estar) ou variar de intensidade. Na maioria dos casos, os efeitos secundários são mais ligeiros no início e tendem a agravar-se ao longo do tratamento. Todos estes efeitos secundários são temporários, designadamente a queda do cabelo. Podem manter-se durante algumas semanas ou meses após a conclusão do tratamento mas acabam por desaparecer.

Ocasionalmente, ocorrem efeitos a longo prazo associados à radioterapia. A radioterapia da região pélvica ou das virilhas pode afectar a fertilidade, tanto nos homens como nas mulheres. Tanto quanto possível, os testículos ou ovários devem ser protegidos da radiação durante o tratamento.

A radioterapia pode também aumentar o risco de ocorrência de alguns cancros em tecidos que receberam radiação, por exemplo, a pele. Assim, é importante que os doentes consultem regularmente o médico, para além de tomarem medidas preventivas para reduzir o seu risco de cancro, designadamente, deixar de fumar e utilizar protector solar.

Na mulher submetida a radioterapia da mama, especialmente se tiver antecedentes familiares de cancro, é muito importante fazer o despiste do cancro a longo prazo. O homem pode também ser afectado e deve fazer o despiste regular se tiver antecedentes familiares de cancro da mama. O cancro da tiróide tende a ocorrer com mais frequência após radioterapia do pescoço.

Podem surgir outros efeitos a longo prazo, por exemplo nos pulmões, resultantes da cicatrização de tecidos após a radioterapia.

 

 

Este site e o seu conteúdo têm um fim exclusivamente informativo e não substituem o aconselhamento médico. Os tratamentos de cada pessoa devem ser individualizados e conduzidos por profissionais de saúde, sendo o médico que acompanha o doente quem poderá indicar qual o tratamento adequado a cada caso.

As instruções do médico e dos restantes profissionais de saúde que o acompanham devem ser rigorosamente seguidas, pelo que sugerimos que contacte sempre o seu médico ou farmacêutico.

 

Termos Legais | Política de Privacidade | Glossário

© Todos os direitos reservados Roche Farmacêutica Química Lda