Como Prevenir a Hepatite A
Tipos de Hepatite

Como prevenir?

Em Portugal, contrair hepatite A já não é muito comum, contudo, como diz o povo, mais vale prevenir do que remediar, o que neste caso significa, em termos individuais, manter hábitos de higiene elementares e, em termos colectivos, a continuação da aposta na melhoria das condições sanitárias e na educação. De qualquer modo, segundo os especialistas, face a uma suspeita de infecção devem lavar-se muito bem as mãos depois de usar a casa de banho e de mudar fraldas, e antes de cozinhar ou comer, e deve-se evitar beber água ou gelo de origem duvidosa.

Quando o risco é grande, a prevenção ganha ainda maior importância, portanto, numa viagem por países da Ásia, África ou da América Central e do Sul os cuidados devem ser redobrados: beber água, só se esta for potável (o engarrafamento é, em princípio, uma garantia de qualidade), caso haja dúvidas, a fervura a 98ºC, durante um minuto, é suficiente para tornar o vírus inactivo; comer, só alimentos cozinhados, os crus podem estar contaminados, em especial, nos países onde a doença é endémica, mas se a vontade for grande deve ser o próprio a descascar a fruta, por exemplo, ou, então, optar apenas por produtos embalados. E, claro, deve-se evitar o marisco, uma vez que a sua origem pode ser difícil de determinar e a cozedura em vapor não neutraliza o vírus.

O contacto com pessoas infectadas é também um factor de risco, obviamente, por isso, nestes casos, é necessário redobrar os cuidados durante o período infeccioso e lavar a louça a altas temperaturas (na máquina, de preferência), não utilizar a mesma sanita, não partilhar a mesma cama e ponderar os contactos sexuais, evitando o sexo oro-anal e usando preservativo no caso da penetração anal.

Por outro lado, é aconselhável aos familiares ou aos parceiros sexuais da pessoa infectada a realização de análises para apurar se têm ou não anticorpos. Nos casos em que estes anticorpos não sejam detectados, os contactos devem ser tratadas com injecções de imunoglobulina, que permitem uma protecção rápida (menos de uma semana), embora apenas durante três a seis meses, e são eficazes em 80 a 90 por cento dos casos. A vacina é igualmente uma boa medida, todavia, o processo de imunização é demorado (cerca de um mês) mas é mais eficaz do que a imunoglobulina (praticamente 100 por cento) e assegura uma protecção durante dez ou mais anos.

No caso das crianças, segundo a «Advisory Commitee on Imunization Practice», as injecções de imunoglobulina estão recomendadas em menores de dois anos que viajem para países onde a doença é comum entre a população ou se tiverem sido expostas ao vírus. Se forem mais velhas e não estiverem vacinadas, e se for previsível um contacto com a doença num espaço de duas semanas, podem tomar a vacina juntamente com a imunoglobulina.