Tipos de Hepatite

Glossário

Abdómen
Vulgarmente designado por ventre ou barriga, é a cavidade do corpo humano situada entre o tórax e a bacia, separada do tórax pelo diafragma, onde se encontram os principais órgãos dos aparelhos digestivo e urinário.

Ácidos nucleicos
Considerados as «moléculas mestras», gerem a actividade celular nos seres vivos e têm por «missão» a transferência de informações genéticas para a síntese de proteínas. Devem o nome ao facto de se pensar, na altura da descoberta, que se concentravam apenas no núcleo das células.

Acolia
Falta de secreção biliar que provoca a descoloração das fezes.

Acupunctura
Processo terapêutico milenar, de origem chinesa, que consiste em espetar agulhas muito finas em pontos cutâneos específicos, para tratar algumas doenças e aliviar a dor.

Adefovir
Substância análoga dos nucleósidos, usada no tratamento da Hepatite B crónica.

ADN
Abreviatura de ácido desoxirribonucleico: um ácido nucleico que é o principal formador de genes. Trata-se de uma macromolécula longa, formada através da junção de um grande número de nucleotídeos. Constitui uma espécie de código e é o portador da informação genética de geração em geração.

Advisory Commitee on Imunization Practice (ACIP)
Institutição federal norte-americana que produz recomendações quanto ao uso de vacinas e de imunoglobulina nos EUA.

Aglutinina
Anticorpo que existe no soro sanguíneo e aglutina os glóbulos vermelhos.

Ag HBc
Antigénio do «core» do vírus da hepatite B.

Ag HBe
Antigénio «e» do vírus da hepatite B que é um sinal da multiplicação do vírus.

Ag HBs
Antigénio de superfície do vírus da hepatite B.

Aminoácido
Composto orgânico que constitui a base para a formação de todas as proteínas do corpo.

Análises sanguíneas
Testes pormenorizados que servem para analisar qualitativa e quantitativamente os constituintes do sangue.

Anemia
Redução da quantidade de hemoglobina e, regra geral, do número de glóbulos vermelhos.

Anorexia
Vulgarmente utilizada como sinónimo de perda de apetite, a anorexia é considerada uma doença quando se verifica a recusa sistemática de ingestão de alimentos nas quantidades mínimas habituais, associada ao pavor de aumentar de peso e a perturbações na tomada de consciência quanto ao tamanho e às formas corporais.

Anticorpo
Substância que se forma no organismo quando este absorve um antigénio, seja alimentar, químico ou biológico - no caso um vírus ou uma bactéria. A sua presença significa que a reacção de defesa do hospedeiro contra o agente estranho (o antigénio que está a afectar o organismo) atingiu o pico máximo.

Antigénio
Substância que estimula a produção de anticorpos específicos. Tem origens diversas, nomeadamente de células vegetais, de animais, bactérias ou de albuminas dissolvidas, e pode ser inofensiva, bastante tóxica ou virulenta.

Anti-HBc
Anticorpo gerado contra o antigénio do «core» do vírus da hepatite B. Está presente nas fases aguda e crónica da hepatite B.

Anti-HBe
Anticorpo gerado contra o antigénio «e» do vírus da hepatite B

Anti-HBs
Anticorpo gerado contra o antigénio de superfície do vírus da hepatite B

ARN
Abreviatura de Ácido Ribonucleico: um ácido nucleico que é formado a partir do ADN. Transporta aminoácidos e orienta a síntese de proteínas. No caso dos vírus formados por ARN, este ácido é o responsável pela transmissão genética.

Assintomática
Palavra muito usada em Medicina para designar a ausência de sintomas de uma doença.

Astenia
Fadiga, fraqueza generalizada, falta de forças.

Bilirrubina
Principal pigmento biliar que tem uma cor amarela-avermelhada e é eliminado pela bílis. O seu aumento no sangue dá origem à icterícia.

Bílis ou bile
Substância líquida de cor amarela-esverdeada, mais ou menos viscosa, amarga e de reacção alcalina. Produzida pelo fígado, desempenha um papel importante no processo digestivo.

Biopsia
Processo de diagnóstico médico que consiste na colheita de tecidos ou de um fragmento de orgão de um ser vivo para efectuar um exame microscópico.

Biopsia hepática
Colheita de um fragmento de fígado que permite a realização de um exame microscópico minucioso dos seus tecidos

Calicivírus
Família de vírus em que se inclui o vírus da hepatite E.

Cancro ou carcinoma
Doença, na maioria dos casos ainda mortal, que se caracteriza por uma proliferação anormal e anárquica de células de um tecido ou de um órgão.

Carcinoma hepatocelular
Tumor das células do fígado. É o tumor maligno mais frequente dos que envolvem o fígado.

Célula
Unidade fundamental, morfológica e funcional, de qualquer organismo vivo, de forma variável e dimensões geralmente microscópicas, é responsável pela reprodução, desenvolvimento e hereditariedade dos seres vivos. A maioria tem diemnsões entre 1 e 100 mm (1 micrómetro é igual a 0,001 mm).

Circulação sanguínea
Movimento contínuo do sangue que é provocado e mantido pelo coração, sob o controlo do sistema nervoso, permitindo as trocas indispensáveis ao metabolismo, isto é, garante o transporte das matérias nutritivas para os tecidos e a expulsão de resíduos. A sua interrupção causa a morte em instantes.

Cirrose
Transformação modular do fígado. Vulgarmente, define uma doença grave do fígado, embora possa afectar outros órgãos. Resulta de uma lesão prolongada das células do fígado (hepatócitos); quando surge associada a uma hepatite crónica activa, diz-se que se trata de uma cirrose pós-hepatítica.

Cloro
Elemento químico, número 17 da tabela periódica, de símbolo Cl, gasoso nas condições normais de temperatura e pressão, amarelo-esverdeado, oxidante indirecto, venenoso e descorante.

Co-infecção
Infecção simultânea do organismo por dois tipos de vírus.

Colesterol
Álcool cíclico que se encontra nos tecidos humanos, óleos e gorduras animais; é essencial para a constituição dos cálculos biliares e para a formação das placas de aterosclerose, mas muitas vezes é responsável pela obstrução das artérias.

Colesterol HDL
(«High Density Lipoproteins») é o chamado colesterol bom, uma porção da substância que quanto mais elevada for melhor é para o organismo, funcionando como protectora.

Colesterol LDL
(«Low Density Lipoproteins») é o colesterol mau, uma porção da substância cujos valores elevados são prejudiciais para o organismo.

Colúria
Eliminação de pigmentos biliares pela urina.

Corticoterapia
Terapêutica com corticosteróides. Os cortocosteroides são produzidos pelo córtex da supra-rena, mas na terapêutica usam-se corticosteróides sintéticos.

Cromossoma
Formado, principalmente, por ADN e proteínas, é um pequeno corpo que se encontra no núcleo das células e em cuja estrutura se encontram os genes.

Diafragma
Grande músculo do corpo, convexo, que separa a cavidade torácica da abdominal e intervém activamente no mecanismo da respiração.

Depressão
Diminuição das capacidades de um órgão. Termo geralmente utilizado para caracterizar um estado mental confuso, associado a uma fadiga permanente, falta de concentração e coordenação de ideias, ansiedade e tristeza.

Doença hepática
Doença que afecta o fígado.

Ecografia
Técnica de diagnóstico médico que utiliza a reflexão (eco) dos ultra-sons pelos órgãos do corpo humano para registar e estudar a sua estrutura interna.

Efeitos secundários
Conjunto de manifestações patológicas - sintomas e sinais - que aparecem após a tomada de um medicamento.

Encefalopatia hepática
Termo usado para caracterizar um estado confusional, frequente em pessoas com doença hepática aguda ou crónica.

Endémica
Doença relativa a um povo ou a uma região.

Entérica
Relativa aos intestinos.

Enzima
Substância orgânica, constituída por proteínas e produzida por células vivas, que actua como acelerador de algumas reacções químicas

Epidemia
Doença infecciosa que se espalha por uma localidade ou região e provoca um grande número de casos de doença.

Esplenomegalia
Aumento de volume do baço.

Estado crónico
Situação em que a doença permanece no organismo, embora nem sempre se manifeste.

Estado de coma
Situação de semi-consciência ou de inconsciência profunda, em que um doente geralmente não reage a estímulos e corre risco de morte.

Evicção, período de
Espaço de tempo decorrido entre o diagnóstico e o final do período de transmissão.

Falência hepática
Incapacidade do fígado em manter a sua actividade metabólica.

Flavivírus
Família de vírus em que se inclui o vírus da hepatite C.

Gamaglobulinas
Proteínas presentes na circulação e que constituem os anticorpos.

Gene
Pequena unidade de um cromosoma, formada por ADN, que é responsável pela transmissão das características hereditárias.

Genoma
Conjunto de cromossomas que são característicos de cada espécie, somando 23 pares na espécie humana (22 x 2 crmossomas somáticos + 2 cromossomas sexuais � XX nas mulheres e XY nos homens).

Genótipo
Conjunto de genes que compõe as células de um organismo e contêm todas as características hereditárias.

Glícidos
Grupo de substâncias químicas que compreende os açúcares redutores e os compostos que, por hidrólise, originam açúcares redutores.

Globulina
Substância proteica existente nos tecidos animais que desempenha algumas funções biológicas complexas.

Glóbulos brancos ou leucócitos
Células sanguíneas que têm origem na medula óssea e formam os constituintes básicos do sistema imunitário humano.

Glóbulos vermelhos
Células sanguíneas que levam o oxigénio, captado nos pulmões, a todo o organismo. A sua cor vermelha deve-se à presença da hemoglobina.

Glucose ou glicose
Açúcar redutor que se encontra no sangue e é susceptível de fermentação alcoólica.

Gripe
Doença febril, muito contagiosa, epidémica, de duração curta, também denominada influenza.

Hemática
Relativo ao sangue.

Hepadnavirus
Família de vírus em que se inclui o vírus da hepatite B.

Hepático
Relativo ao fígado.

Hepatite aguda
Fase critica da doença. Geralmente, termina ao fim de algumas semanas, mas pode assumir uma forma mais prolongada ao longo de três a quatro meses, ou originar uma recaída quando a cura parecia completa.

Hepatite crónica
Significa que as transaminases permanecem elevadas durante mais de seis meses, após a hepatite aguda.

Hepatite fulminante
Forma muito grave da evolução de uma hepatite aguda caracterizada pela interrupção total ou quase total do funcionamento do fígado que pode ser mortal. Constitui uma das indicações para transplante hepático de urgência

Hepatócito
Célula do fígado que assegura as funções principais do órgão.

Hepatomegalia
Aumento do volume do fígado

Hipertrofia
Desenvolvimento excessivo ou aumento de volume de um órgão ou de uma parte do corpo.

Hipocôndrio
Cada uma das faces laterais do abdómen situadas por baixo das falsas costelas.

Icterícia
Sintoma de uma doença ou alteração do sistema biliar caracterizada pela cor amarelada da pele e dos olhos, provocada pela presença de grandes quantidades de bilirrubina no sangue.

IgA
Classe de anticorpos.

IgG
Uma classe de anticorpos. É o anticorpo mais abundante e protege o organismo contra bactérias, vírus e toxinas que circulam no sangue. Passa pelas paredes dos vasos sanguíneos e entra nos tecidos. Atravessa, também, a placenta, conferindo a imunidade necessária ao feto.

IgM

Uma classe de anticorpos. É o primeiro anticorpo a aparecer no sangue em resposta a um antigénio mas permanece pouco tempo em circulação. A sua presença indica que o organismo está infectado. É demasiado grande para atravessar a placenta e, por isso, não protege o feto.

Imunidade
Capacidade biológica de defesa do organismo face ao ataque de certos micróbios.

Imunoglobulina
Proteína do sangue que age como um anticorpo. É obtida a partir de sangue humano e contém anticorpos contra os vírus. Concede rapidamente uma protecção (os anticorpos aparecem cinco dias após), mas esta protecção tem uma curta duração de três a seis meses.

Incubação, período de
Espaço de tempo que medeia a entrada de um agente infeccioso no organismo e a manifestação dos sintomas da doença.

Insuficiência hepática
Diminuição das capacidades do fígado ou interrupção do seu funcionamento.

Insuficiência hepatocelular
Redução ou interrupção do funcionamento das células do fígado.

Interferão
Proteína produzida pelo organismo para combater uma infecção viral. Os interferões utilizados no tratamento das hepatites crónicas são obtidos por recombinação genética, a partir de genes de interferões humanos, os únicos que são eficazes no homem.

Iodo
Elemento químico, número 53 da tabela periódica, de símbolo I, não metálico do grupo dos halogéneos, de cor violeta, insolúvel em água.

Lamivudina
Substância semelhante aos nucleósidos, usada no tratamento da hepatite crónica B e da infecção VIH.

Lesão hepática
Designação geral que se dá a todas as alterações patológicas do fígado.

Letargia
Indolência extrema ou apatia.

Lisina
Aminoácido que é a base de várias proteínas.

Nanómetro ou milimícron
Submúltiplo do metro, igual a 10-9 m.

Nucleotídos
Bases que constituem as cadeias de ADN permitindo a transcrição deste e a montagem de proteínas a partir dos aminoácidos.

Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência
Agência da Comunidade Europeia, com sede em Lisboa, que foi criada em 8 de Fevereiro de 1993, com o objectivo de fornecer à União Europeia e aos estados-membros informações objectivas, fiáveis e comparáveis a nível europeu sobre o fenómeno da droga e da toxicodependência e respectivas consequências. Coordena a Rede Europeia de Informação sobre a Droga e a Toxicodependência (REITOX).

Organização Mundial de Saúde
(www.who.int) Nascida, oficialmente, a 24 de Outubro de 1945, data em que a sua Carta foi assinada pela maioria dos 51 Estados Membros fundadores, tem por objectivo a união de todas as nações do mundo em prol da paz e do desenvolvimento, com base nos princípios de justiça, dignidade humana e bem-estar de todos. Actualmente, é composta por 189 estados-membros.

Patologia
Sinónimo de doença. Também pode usar-se para designar a área da medicina que estuda as origens, sintomas e natureza das doenças.

PCR
Sigla do inglês «Polimerase Chain Reaction», isto é: Reação em Cadeia da Polimerase. É um método laboratorial que permite detectar a presença do vírus no sangue, amplificando o genoma. Até ao momento, é a metodologia mais sensível e específica, disponível até o momento para a análise de genes e seus transcritos.

Peginterferão
Resulta da conjugação química da molécula proteica de Interferão alfa com uma macromolécula de polietileno glicol (1:1) formando uma barreira protectora que protege o IFN da destruição enzimática (proteólise). Permite aumentar a semi-vida média do Interferão e assim manter níveis séricos de IFN constantes durante mais tempo o que se traduz num efeito antiviral prolongado

Período de transmissão
Espaço de tempo em que um doente pode contagiar pessoas saudáveis.

Picornavírus
Família de vírus em que se inclui o vírus da hepatite A.

Piercing ou pírcingue
Perfuração da pele para uso de argolas, tachas e outros efeitos

Placenta
Órgão esponjoso que se forma no útero e constitui a ligação entre a mãe e o embrião.

Plaquetas sanguíneas ou trombócitos
Pequena célula sanguínea, sem núcleo, que tem um papel fundamental na coagulação do sangue.

Portadores crónicos
Pessoas em que o vírus permanece, podendo ser transmitido a outras pessoas.

Precipitina
Anticorpo que reage visivelmente com um antigénio especifico.

Prodrómica, fase
Período imediatamente anterior ao aparecimento dos sintomas.

Proteína
Composto orgânico que forma um dos elementos básicos dos organismos animais e vegetais. É constituída por carbono, oxigénio, hidrogénio, azoto, e, por vezes, enxofre e fósforo.

Ribavirina
Molécula análoga do nucleósido guanosina com propriedades antivíricas que tem vindo a ser utilizada no tratamento da hepatite crónica C, em associação com o interferão e com o peginterferão.

Seroconversão
Passagem do estado de portador de antigénios ao de portador de anticorpos.

SIDA
Iniciais da Síndrome de Imunodeficiência Adquirida, doença crónica causada por um vírus � Vírus da Imunodeficiência Humana (VIH) - que é transmitido por via sexual, através de transfusões de sangue ou por agulhas e outros objectos contaminados com sangue.

Sífilis
Doença sexualmente transmissível, extremamente contagiosa.

Sintoma
Manifestação subjectiva que pode dar indicações sobre uma doença.

Sistema imunitário
Componente do organismo que assegura a defesa contra os ataques de agentes infecciosos.

Superinfecção
Infecção por vírus quando já existe uma outra infecção.

Taxa de contaminação
Percentagem de pessoas contaminadas com uma determinada doença.

Taxa de incidência
Percentagem de pessoas contaminadas em cada ano com uma determinada doença, relativamente ao total população a que pertencem.

Tiróide ou glândula tiroideia
Glândula situada na parte inferior da laringe, que exerce um papel importante no desenvolvimento do indivíduo.

Tórax
Cavidade superior do tronco humano, onde se encontram os principais órgãos da respiração e da circulação - pulmões, coração e artérias principais.

Transaminases ou aminotransferases
Enzimas que se encontram em grande quantidade no interior das células do fígado. O aumento da sua quantidade no sangue é muito significativo em casos de hepatite aguda (mais de dez vezes o limite superior do normal) e mais moderado na hepatite crónica (em geral, duas a cinco vezes o limite superior do normal).

Transplante hepático
Acto cirúrgico destinado a substituir um fígado doente por outro com características idênticas, saudável, retirado de uma pessoa recentemente falecida.

Urobilinogénio
Resulta da degradação da bilirrubina por acção da flora intestinal e encontra-se em pequena quantidade na urina. A maior parte desta substância é reabsorvida, voltando a formar bilirrubina no fígado.

Urticária
Erupções na pele, de origem alérgica, que provocam ardor e comichão. Assemelha-se ao resultado de um contacto com a urtiga, planta herbácea, revestida de pêlos que contêm um líquido cáustico.

Vacina
Substância biológica, preparada com agentes infecciosos atenuados ou por recombinação genética. Quando introduzida no organismo, impede o desenvolvimento de doenças provocadas pelos vírus de que é constituída. É combinada, quando serve para prevenir duas doenças, como no caso das hepatites A e B.

Via intramuscular
Injecção que atinge o interior do músculo para que a absorção seja mais rápida.

Via subcutânea
Introdução por debaixo da pele.

VIH
Vírus da Imunodeficiência Humana, o microorganismo que provoca a SIDA (a Síndrome de Imunodeficiência Adquirida).

Viremia
Palavra inglesa que designa a presença e a quantidade de vírus no sangue. Em português, pode dizer-se «carga viral».

Vírica
Palavra usada, habitualmente, para designar doenças provocadas por vírus. Nestes casos, a língua portuguesa aconselha a utilização da palavra «viral» ou «virulenta» que significa, precisamente, provocada por vírus ou relativo a vírus.

Viróides
Vírus incompletos.

Virulento
Produzido por um vírus; doença infecciosa ou contagiosa; que contém vírus.

Vírus
Microorganismo infeccioso, geralmente constituído por uma molécula de ácido nucleico (ARN ou ADN) revestida por proteínas. Os vírus não têm metabolismo independente e só conseguem reproduzir-se no interior das células vivas do organismo hospedeiro. Estes agentes infecciosos são os causadores de muitas doenças contagiosas.

Vitamina
Substância sem qualquer valor energético, mas indispensável, em doses reduzidas, ao bom funcionamento do organismo. É fornecida através dos alimentos ou de medicamentos (suplementos vitamínicos). A palavra vitamínica adjectiva algo relativo a vitaminas.