Compreender a Esclerose Múltipla

É mais do que uma doença

A Esclerose Múltipla (EM) é uma doença do sistema nervoso central. Embora normalmente se fale de EM como uma única doença, os sintomas e a evolução variam de pessoa para pessoa. A atividade da doença, seja pela ocorrência de surtos ou pela forma como evolui, é habitualmente imprevisível.1,2 A comunidade médica divide a EM em quatro grandes tipos.2,3

Síndrome Clínico Isolado (SCI)

É habitualmente o primeiro episódio clínico do doente que pode anteceder a EMSR

EM surto-remissão (EMSR)

85% das pessoas com EM são inicialmente diagnosticadas com EMSR

EM Progressiva Secundária (EMPS)

Com o passar do tempo, a maior parte das pessoas com EMSR progride para EMPS4

EM Progressiva Primária (EMPP)

10% das pessoas com EM são diagnosticadas com EMPP

Os sintomas podem afetar quase todas as partes do corpo e do cérebro

As pessoas com EM podem ter vários tipos de sintomas.

90%Até 90% das pessoas com EM sentem fadiga6

50%Nos primeiros 15 anos, mais de 50% das pessoas com EM têm dificuldade em andar7,8

20%Dificuldades visuais são comuns e um sintoma inicial em 15-20% das pessoas com EM9

80%Pelo menos 80% das pessoas com EM têm problemas urinários10

3xA depressão é três vezes mais frequente em pessoas com EM11

2xPerturbações do sono são duas vezes mais frequentes em pessoas com EM12

Atividade escondida

Mesmo sem sinais ou sintomas óbvios, a atividade da doença e os danos no sistema nervoso podem continuar em algumas pessoas com EM sem que se perceba.13

Destruição da mielina (revestimento à volta das células nervosas)

Quem pode ter EM?

A Esclerose Múltipla é uma das principais causas de incapacidade nos jovens adultos.14,15

A EM é normalmente diagnosticada entre os 20 e 40 anos16

A EM é duas vezes mais frequente em mulheres do que em homens15

Estima-se que existam
6.000
pessoas com EM em Portugal17,18

EM: o futuro

Não há cura para a EM, mas continuamos a investigar para melhor compreender e tratar esta doença.5

O que causa a EM?
Como podemos monitorizar melhor a atividade da doença?
Como podemos estudar melhor novos tratamentos para a EM?
Como podemos prever quais os doentes que vão beneficiar de determinados tratamentos?

Referências

  • 10. National Multiple Sclerosis Society. Bladder Problems. Available at: http://www.nationalmssociety.org/Symptoms-Diagnosis/MS-Symptoms/Bladder-Dysfunction
  • 11. Siegert RJ, Abernethy DA. (2005). Depression in multiple sclerosis: a review. J Neurol Neurosurg Psychiatry, 76:469–475.
  • 12. Lobentanz IS, et al. (2004). Factors influencing quality of life in multiple sclerosis patients: Disability, depressive mood, fatigue and sleep quality. Acta Neurologica Scandinavica, 110:6–13.
  • 13. Erbayat A, et al. (2013). Reliability of classifying multiple sclerosis disease activity using magnetic resonance imaging in a multiple sclerosis clinic. JAMA Neurol, 70(3):338-44.
  • 14. Murray TJ. (2006). Diagnosis and treatment of multiple sclerosis. BMJ, 322 (7540):525-527.
  • 15. Multiple Sclerosis International Federation. (2013). Atlas of MS 2013. Available at: http://www.msif.org/about-us/advocacy/atlas/
  • 16. Compston A, et al. (2002). Multiple Sclerosis. Lancet, 359:1221-31.
  • 17. J. Pinheiro and J. Guimarães, Esclerose Múltipla - Conhecer e Desmitificar, Oral Presentation, Secção Regional da Ordem dos Médicos, Porto, Portugal, 2011.
  • 18. J. de Sá, E. Alcalde-Cabero, J. Almazan-Isla, A. Sempere, and J. de Pedro-Cuesta, “Capture-recapture as a potentially useful procedure for assessing prevalence of multiple sclerosis: methodological exercise using portuguese data,” Neuroepidemiology, vol. 38, no. 4, pp. 209-216, 2012.